Menu
RSS


«AWOL» por André Gonçalves

awol press 2

AWOL - "Absent Without Official Leave" (Ausente sem Licença Oficial de Saída), termo usado pela força militar norte-americana para descrever um soldado ou outro membro das forças que saiu do seu posto sem permissão.

A realizadora e co-argumentista Deb Shoval faz a sua transição para a longa-metragem decidindo estender a sua própria curta-metragem homónima de 2010, e colocando nos papéis de protagonistas uma estrela em ascenção (Lola Kirke de "Mistress America") e recuperando a atriz que tinha interpretado o interesse romântico na curta-metragem original (Breeda Wool, a fazer lembrar assustadoramente A.J. Cook).

O pecado de muitas destas passagens curta para longa é, na fase mais alongada, repararmos que não havia muito mais para contar. Tal não aparenta ser o problema deste "AWOL": não tendo visto a curta-metragem de origem, seria difícil imaginar esta história caber em menos de meia hora... 

E o que conta "AWOL"? Bem, o título revela já demasiado (é afinal a passagem para o terceiro ato aqui) - temos aqui uma fuga dos serviços militares de uma rapariga que tem nas suas costas o peso de ser a salvação da sua família. Estamos afinal de contas num cenário que cada vez mais o cinema independente tem explorado: o lado "roulotte" da América (neste caso, na Pensilvânia), a necessidade de enveredar por uma formação militar como plataforma de pagar a universidade, o vício da metadona como escape, a dependência em rendimentos sociais. Para Joey (Kirke), a alternativa a ficar a ser vendedora de gelados e afins é alistar-se, e assim ter o dinheiro para ir à universidade. Há apenas um problema: Rayna, uma típica mãe de "roulotte", que vive de rendimentos e de biscates, e que está estacionada na vida, presa a um marido camionista. Joey apaixona-se por Rayna, Joey quer fugir com Rayna, Rayna não pode, Joey alista-se, volta para casa nas férias de Natal, pelo meio mete-se com uma personagem secundária caída do céu para ver se passa à frente,  e...  eis que afinal há uma folga. 

Nota-se a intenção inicial de escapar a alguns "clichés", e de passar da fase de saída do armário para ir mais rápido ao núcleo da relação. Para uma aldeia como a retratada aqui, a homossexualidade de Joey é surpreendentemente mais visível que a política "don't ask, don't tell", o que é refrescante q.b.. Onde "AWOL" fica engatado não é no ponto de partida, não é nas interpretações de Kirke e Wool, é na passagem da exposição inicial ao terceiro ato, e depois a não-resolução final que acaba por ter um efeito contrário ao desejado (i.e., soa a cobardia, quando devia ser visto como ousado). Indo direto ao padrão "Brokeback Mountain", as duas mulheres têm um "vai, não vai" básico, repetido à exaustão, e quando o clímax, previsto pelo próprio título, se dá, o filme já perdeu muito do gás inicial. E depois há aquela tentativa de final aberto, que dá mais facilmente lugar a um encolher de ombros que a uma salva de palmas.   

O melhor: a tentativa inicial de escapar a "clichés"

O pior: A adesão a todo um modelo genérico a partir do segundo ato. 

André Gonçalves



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos