Menu
RSS

 



«Don't Breathe» (Nem Respires) por Roni Nunes

unnamed

Conforme a célebre frase de efeito de Griffith -  para se fazer um filme basta uma mulher e uma pistola - o realizador Fede Alvarez acrescenta ainda três homens e um cão. Sob o signo do minimalismo, o responsável pelo remake de “Evil Dead: A Noite dos Mortos Vivos” apresenta mais uma história de home invasion – e, ficando-se apenas pelo Motelx, diferenciando-se de “You’re Next” por um tom mais sério (e menos inventivo…).

A miragem da Califórnia ensolarada em contraste com a dura vida numa Detroit decadente é que move Money (Daniel Zovatto) e Rocky (Jane Levy) a andarem a fazer assaltos para juntar dinheiro. Já Alex (Dylan Minette) nutre uma paixão platónica pela namorada do amigo e, como diz a certa altura, “faz a escolha e estou contigo”. Assim, eles recebem a dica para roubar um idoso cego (Stephen Lang) que vive num bairro abandonado – mas o que parece ser uma presa fácil revela-se um osso duro de roer.

É evidente que que o realizador, também coargumentista, não está muito interessado nos personagens nem em contar uma grande história - mesmo comprometendo a simpatia do espectador para os seus jovens em apuros. Para ele o que interessa é a ação e, nesta via, o que importa é a casa e a quantidade de armadilhas de que pode dispor para manter o interesse. O facto de uma das partes do jogo de gato e rato ser invisual ajuda no propósito e daí as implicações do título – onde a salvação pode vir do silêncio.

Todo o resto é reduzido ao mínimo. Há explicações sobre o que move o vilão (não de todo credível) e Rocky é a única a receber um enquadramento maior para justificar os seus atos. No restante são reações de terror e fuga com twists ocasionais – e com Alvarez economizando, dentro dos padrões dos filmes de terror, na violência, no sadismo e nas implicações sexuais de alguns momentos.

O Melhor: alguns artifícios que dissipam o lugar-comum, como o facto de o antagonista ser cego.

O Pior: o minimalismo do cenário estender-se à composição das personagens.

Roni Nunes



Deixe um comentário

voltar ao topo

Contactos

Quem Somos

Segue-nos