Menu
RSS

Matteo Garrone: «Dentro do mecanismo da violência não há vencedores»

Desde Gomorra que o realizador Matteo Garrone não recebera tanta atenção. Face à crise do cinema italiano, e cuja opinião dos mais acérrimos cinéfilos, uma cinematografia completamente morta e refém da linguagem televisiva ou da invocação do passado cada vez mais longínquo, Garrone prova ser um dos nomes a ser falados na atualidade.

Dogman, baseado num mediático crime real, é a história de Marcello, um homem de bom coração mas apegado à violência do seu meio, um retrato de uma Humanidade constantemente comparada com os companheiros de quatro patas. Castrados obedientes ou rafeiros gerados no ódio, são as inúmeras opções que não conseguem afastar-nos do universo canino, sabendo nós que os cães são fruto da nossa Humanidade.

O C7nema falou com Garrone durante a sua passagem em Cannes, festival que premiou o ator e protagonista Marcello Fonte. Foi uma conversa sobre o mais velho dos temas e igualmente o mais atual: a violência da nossa sociedade, do Mundo e de nós próprios.

 

Um facto é que depois Tales of Tales, este Dogman leva-nos à mesma essência dos seus primeiros filmes e em especial ao êxito de Gomorra. Foi sua intenção regressar às “origens”?

Existe uma linha, ou conexão, entre os meus primeiros filmes, incluindo o Gomorra e este Dogman, até porque tentei esboçar neste último projeto um retrato humanista e densamente psicológico da violência e do ser humano. Interesso-me por personagens em conflito com os seus arquétipos obsessivos e isso reflete na natureza de Marcello, um protagonista que nos faz simpatizar desde os primeiros momentos. É curioso que senti isso quando o encontrei. Ele tinha aquela face amigável e os olhos eram detentores de uma certa doçura. O argumento, esse, foi alterado ao longo de 12 anos, não por causa da pesquisa da minha parte, mas pelas minhas mudanças, a minha relação com a violência mudou ao fim de mais uma década.

E como conheceu Marcello Fonte?

É uma história trágica e divertida, mas mais trágica que divertida. Marcello é um guarda num centro social, onde vive e que participa num grupo de teatro composto por ex-presidiários. Ele entrou nesse grupo pois um dos membros faleceu devido a um aneurisma. Assim, Marcello substituiu-o. Durante o casting que fiz a essa mesma companhia, ele foi selecionado.

Mas esta não é a sua primeira experiência cinematográfica, Marcello fez pequenos papéis em outros filmes e ainda escreveu as suas memórias de infância, qua adaptou para um pequeno filme que marcou presença em Locarno. Contudo, é em Dogman que tem a sua grande oportunidade, até porque toda a obra gira e torno à sua face como um Buster Keaton moderno.

Matteo Garrone

E foi fácil trabalhar com ele? Como o dirigiu e trabalhou a sua personagem?

A sua abordagem foi bastante emocional. Para mim, era o ator ideal, porque o Marcello quando está dentro de cada situação consegue manejá-la com destreza e rigor, quer para o argumento, quer para connosco. Resulta por possuir um passado forte.

A sua interpretação é pura e humanista, foi um perfeito casamento entre a personagem que escrevi e a personagem que se gerou. Por vezes peço ao ator para aproximar-se da personagem. É claro que fizemos ensaios e avaliamos esta visão em relação à história verídica. E sim, de forma a não nos afastarmos do tom pretendido, descartamos imensas partes da história original, incluindo a tortura, a qual não conectava com a personagem que escrevi.

É curiosa essa adulteração para com a história verifica e ao mesmo tempo transformar um facto numa história ficcionada. Ao mesmo tempo, a ficção torna-se mais original que a realidade. Foi por isso que decidiu cortar essas sequências de tortura que tornaram-se mediáticas no crime real?

Sim, foi por causa disso que percebi o porquê desta história estar na minha secretária durante 12 anos. Eu constantemente voltava a ela, mas descartava imediatamente, porque sentia que tudo aquilo era uma “história repetida”, algo que vi diversas vezes na minha vida enquanto cineasta. A ideia de vingança, os fracos sobre os fortes, este tipo de enredo conduzia-me a lugares-comuns. Após essas decisões, deparei-me com um território mais subtil. Falamos de violência, porém, de um modo mais psicológico.

Tirando o enredo, existe uma força cénica. O filme é bastante atmosférico. Foi sua intenção a escolha do dito cenário?

O cenário é propositado. É um espaço que liga à história e por isso torna-se numa personagem própria. Para além da vila trazer um certo ambiente western, é uma personagem coletiva, e tentamos usar isso para alicerçar a personagem de Marcello. É importante para a história percebermos como a comunidade vê Marcello e como o julga. Essa relação entre o protagonismo e os elementos cénicos leva-nos a um filme quase à parte. Digo isto, até porque na primeira parte de Dogman encontramos um ambiente bem solarengo e na segunda um clima bem chuvoso e negro. No primeiro tópico, este cenário foi um achado, a luz insere-se perfeitamente.

Martin Scorsese referiu que para os seus contos de violência, inspirava-se em acontecimentos vividos pelo próprio. Questiono ainda, visto que Garrone aborda esses territórios de certa maneira “scorseseanos”, como é encontrar a ética na não-ética destes enredos?

Uma coisa é certa, a violência está em todo o lado. Por exemplo, na escola entre os miúdos ou até mesmo na relação entre um homem e uma mulher. Graças a esta violência omnipresente, tentei criar Marcello; um individuo sensível, criado num mundo de violência, onde o medo o levará a estes trilhos. Aliás, é o medo a maior das vias para a violência, assim como é uma importante ferramenta de controlo politico.

O que tento dizer é que a violência é invisível, não é preciso ir para Gomorra, por exemplo, para deparamos com isso.

Mas em Dogman encontramos contornos de neorrealismo, principalmente no retrato da comunidade da vila.

De facto, inspirei me no cinema de De Sica, o seu modo de interpretar o género. O neorrealismo foi um modo moderno de fazer cinema e é a partir daí que a abordagem dos meus filmes arranca para depois pegar em tal material e reinterpreta-lq para uma nova dimensão, que diria abstrata.

Mas repare, mesmo sobre diferentes abordagens, todos os meus filmes remetem ao mesmo tema. Retrato obsessões, desejos, sentimentos, arquétipos, por outras palavras, falo sobre a natureza do ser humano. Conforme a dimensão que seja.

Tive a sensação que as personagens humanas foram criadas à imagem dos cães.

Sim, de certa maneira, o filme, novamente repescando a temática da violência, retrata a relação canina para com esta. E nesse sentido tentei criar as personagens humanas como cães, e a personagem de Simon é um exemplo disso. Para ser mais especifico, ele é praticamente o cão raivoso que surge inicialmente em Dogman.

Podemos falar do final. Um pouco péssimista, não? Ou reformulando - descrente para com o destino da Humanidade.

Dentro do mecanismo da violência não há vencedores, principalmente se fores um individuo pacifico que foge constantemente dessa veia. É uma questão de sobrevivência. Porém, mesmo para esses “pacíficos” que repudiam toda a violência existente nas suas vidas, eles acabaram, de uma maneira ou de outra, a tornarem-se vitimas desse sistema. Morrerá algo dentro de ti, quer queiras, quer não. Não se pode escapar a estes mecanismos, nem mesmo quem procura justiça. Porque até mesmo esses colocam mais violência nas suas vidas e no geral. Violência gera violência, não há maneira de fugir a isso. É simplesmente instinto.

Mas Marcello não é nenhum herói, nem sequer o exemplo perfeito de isenção da violência.

Vamos ser claros aqui, eu não criei Marcello de um forma tão inocente assim. Ele é um traficante de droga e por vezes cúmplice dos impulsos violentos de Simon. O que tento dizer é que a inocência assim como a violência são complexas e ambíguas. Marcello é a representação disso, o anti-maniqueismo.

Se olharmos com atenção, e mesmo não ignorado esses gestos criminais, Marcello é uma personagem movida pelo amor e cheio dele.

Uma pergunta descontraída, tendo em conta o filme, gosta de cães?

Eu cresci com cães e por isso tenho afeto enorme por eles.

Quais foram as suas influências cinematográficas em Dogman?

Como referi, para além de De Sica, a minha grande referência são os filmes de Buster Keaton. Contudo, quando nós realizadores concebemos um filme, apropriamos-nos de vários elementos e influências. Mas sim, Keaton foi a minha principal inspiração para criar a personagem de Marcello, assim como Chaplin e todo aquele dócil carisma. Mas também posso afirmar que pensei muito em Pasolini enquanto fazia este filme.

Curioso falar de Pasolini, senti por vezes estar a assistir uma espécie de atualização desse cinema.

A verdade é que estou a ficar velho e apercebi-me disso durante as filmagens de Dogman, em que encontrava similaridades destas cenas com os meus outros filmes [risos]. Mais do que me inspirar em Rosselini, Pasolini ou outros, começo a cair em déjà vu e cito inconscientemente os meus próprios filmes.

«Aquaman»: James Wan expressa desagrado pelo desprezo da Academia

Para os mais otimistas, Aquaman representa uma nova viragem no projetado Universo Partilhado da DC / Warner Bros. De momento, a aventura protagonizada por Jason Momoa arrecadou mais de 840 milhões de dólares mundialmente (€736M), ultrapassando os valores obtidos por Wonder Woman (821 milhões) e Suicide Squad (746 milhões), e sucedendo ao semifracasso de Justice League (657 milhões). A crítica, por sua vez, tem se dividido quanto a este novo tomo, mas o consenso é que a nível visual, Aquaman excede as expetativas no que requer a criar um fantasioso mundo subaquático.

O realizador James Wan utilizou a sua conta de Facebook para agradecer o esforço levado a cabo por Kelvin McIlwain e equipa, os responsáveis pelos efeitos especiais do filme, que para além do referido do mundo da Atlântida e arredores, conta ainda com o rejuvenescimento de Willem Dafoe e Nicole Kidman. Através dessa mesma publicação, e para além dos elogios dirigidos aos colegas de trabalho, Wan criticou o desprezo da Academia de Artes e Ciências Cinematograficas por este particular ramo, considerando que esta negligencia é uma verdadeira “desgraça”.

O facto é que Aquaman fez parte dos pré-seleccionados, não passado à fase seguinte. A lista atual inclui filmes como Solo, Black Panther, Avengers: Infinity War e First Man.  

«ROMA» é o filme do ano para a Sociedade de Críticos Online

ROMA foi escolhido como filme do ano pela OFCS (Sociedade de Críticos Online), a qual o C7nema integra. Para além do cobiçado estatuto, o regresso de Alfonso Cuarón ao México foi ainda distinguido com os prémios de Melhor Realizador, Filme de Língua Estrangeira e Fotografia.

Quanto às interpretações, Ethan Hawke saiu a ganhar na categoria principal masculina em First Reformed, de Paul Schrader, e Toni Collette como atriz em Hereditary. Nas categorias secundárias, Michael B. Jordan (Black Panther) e Regina King (If Beale Street Could Talk) foram os premiados.

A destacar ainda prémios especiais atribuídos a Ryan Coogler pela direção de Black Panther e à cidade de Oakland por acolher e gerar algumas das relevantes obras de cariz social e racial nos EUA, como Blindspotting e Sorry to Bother You.

 

MELHOR FILME

Roma

 

MELHOR FILME DE ANIMAÇÃO

Spider-Man: Into the Spider-Verse

 

MELHOR REALIZADOR

Alfonso Cuarón - Roma

 

MELHOR ATOR

Ethan Hawke - First Reformed

 

MELHOR ATRIZ

Toni Collette - Hereditary

 

MELHOR ATOR SECUNDÁRIO

Michael B. Jordan - Black Panther

 

MELHOR ATRIZ SECUNDÁRIA

Regina King - If Beale Street Could Talk

 

MELHOR ARGUMENTO ORIGINAL

Paul Schrader - First Reformed

 

MELHOR ARGUMENTO ADAPTADO

Barry Jenkins - If Beale Street Could Talk

 

MELHOR EDIÇÃO

Eddie Hamilton - Mission: Impossible - Fallout

 

MELHOR FOTOGRAFIA

Alfonso Cuarón - Roma

 

MELHOR BANDA-SONORA ORIGINAL

Nicholas Britell - If Beale Street Could Talk

 

MELHOR PRIMEIRO FILME

Ari Aster - Hereditary

 

MELHOR FILME DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

Roma

 

MELHOR DOCUMENTÁRIO

Won't You Be My Neighbor?

 

PRÉMIOS TÉCNICOS

Annihilation – Efeitos Visuais

Black Panther – Guarda-Roupa

Mission: Impossible - Fallout – Coordenação de Stunts

A Quiet Place - Som

A Star Is Born – Músicas Originais

 

TOP 11

1. Roma

2. BlacKkKlansman

3. If Beale Street Could Talk

4. First Reformed

5. The Favourite

6. You Were Never Really Here

7. Annihilation

8. Eighth Grade

9. Hereditary

10. A Star Is Born

11. Suspiria

 

PRÉMIO CARREIRA

Roger Deakins

Spike Lee

Rita Moreno

Robert Redford

Agnès Varda

 

Adeus Ringo Lam, do cinema de Hong Kong à ação de Jean-Claude Van Damme

Morreu Ringo Lam, o realizador de Hong Kong que serviu de influência para Quentin Tarantino no seu Reservoir Dogs (Cães Danados). Segundo os medias de Hong Kong, o realizador foi encontrado sem vida na sua habitação. Tinha 63 anos.

Tendo como principais obras Mad Mission 4 (1986), City of Fire (1987) e Twin Dragons (Ação em Hong Kong, 1992), Lam foi considerado um dos mais importantes e bem-sucedidos artesãos do Cinema de ação de Hong Kong do final dos anos 80, estatuto que o fez transladar para Hollywood onde concretizou algumas das aventuras cinematográficas da estrela Jean-Claude Van Damme (Maximium Risk, In Hell). Em 2007, juntou-se aos seus conterrâneos Tsui Hark e Johnny To para o filme coletivo Triangle, que foi apresentado no Festival de Cannes. Ringo Lam sempre se destacou como um severo crítico da indústria de Hong Kong, nunca escondendo a sua insatisfação para com o desenvolvimento do cinema local.

Jean-Claude Van Damme expressou o seu pesar na sua conta Twitter: 

Contactos

Quem Somos

Segue-nos