Menu
RSS


"True Detective 3": um regresso sólido, mas pouco espetacular

Em 2014, True Detective contribuiu - sobremaneira - para a forma como se aproximava cada vez mais a linguagem do cinema à linguagem televisiva. Essa aproximação, fusão, ou implementação do cinema no pequeno ecrã (escolham o termo),  muito por culpa do realizador Cary Fukunaga, tornou essa temporada num objeto de culto, um centro para futuras comparações entre produtos de entretenimento, quer televisivos, quer cinematográficos. Não se inventava a roda, nem lá perto, mas a série foi suficientemente impactante para criar uma segunda temporada, a qual se viria a revelar desastrosa, mal aproveitada e que colocou todo o conceito criado por Nic Pizzolatto num limbo.

Em 2019 regressamos às origens da série, mais uma vez com dois detetives a lidar com um caso passado, mas em vez das duas linhas temporais da temporada protagonizada por Matthew McConaughey e Woody Harrelson (agora produtores executivos da série), temos três. É nesses três tempos que acompanhamos uma narrativa que segue Stephen Dorff e Mahershala Ali, os detetives Roland West e Wayne Hays.

O caso inicia com o desaparecimento de duas crianças em 1980 no Arkansas, surgindo Hays novamente em 1990 a fazer um depoimento sobre os eventos, e  já nos tempos correntes, onde envelhecido e com demência, dá uma entrevista a uma equipa de televisão de um programa chamado True Criminal.

A primeira linha temporal é densa, mas derivativa, acompanhando os esforços dos detetives para investigar o desaparecimento dos miúdos, observando o espectador a problemática vida familiar deles e as potenciais ameaças na sua região, onde não faltavam cadastrados e jovens marginais com segredos por revelar. Na construção estética e entrega dos elementos, não faltam alguns simbolos dignos do cinema de terror e mistério, como bonecas assustadoras, florestas e grutas que entregam algum misticismo (recentemente, a série francesa A Floresta seguia a mesma linha). Mas a grande mais valia desta temporada está nas declarações de 1990, onde uma reviravolta processual põe em causa toda a investigação do caso no passado. Já na atualidade, as mensagens transmitidas para o espectador são crípticas na relevância, sendo provável que nos próximos episódios (apenas foram lançados e vistos os primeiros dois) surjam novos elementos de pertinência para esta linha temporal.

A boa direção, entregue ao muito interessante Jeremy Saulnier - responsável por Ruína Azul, Green Room e o enorme Hold The Dark (filme Netflix) - relançou, ou antes, ressuscitou True Detective das cinzas, cabendo a um enorme Mahershala Ali e a um Stephen Dorff bastante sólido o encanto de nos prender. É certo que muitas vezes pensamos que estamos a ver apenas elementos reciclados que fizeram furor na primeira temporada (soa a Hit Parade), mas para já estamos perante um objeto maioritariamente compacto que nunca soa a lufada de ar fresco, ou impõe espetacularidade, mas que embaralha bem as ideias e acrescenta uma boa dose de mistério. Esperemos é que personagens como da repórter dos tempos correntes não sejam meros indicadores de uma chuva de clichés que está para vir.



Deixe um comentário

voltar ao topo

Contactos

Quem Somos

Segue-nos