Menu
RSS


The OA: a mente, a vida e a morte

Até ao início desta semana, pouco ou nada se sabia do novo projeto da Netflix, The OA, um thriller sobrenatural com diversos elementos de fantasia e mistério até que derradeiramente se revela como um drama psicológico onde a mortalidade, a sanidade mental, a esperança e a sobrevivência andam de mãos dadas.

Tudo isto em meros oito episódios que se consomem facilmente devido a uma engenhosa intriga – uma espécie de Stranger Things "mixado" com Flatliners (Linha Mortal) e No Limiar da Realidade (The Outar Limits). Apesar de, a certo ponto, se tornar inverosímil (os movimentos de dança ao estilo Chandelier de Sia como uma forma de linguagem têm tanto de belo como de risível e até nonsense), a série acaba por se cimentar engenhosamente num final onde é impossivel não recordar que "certas coisas acontecem por uma razão" – uma ideia a qual M. Night Shyamalan nos tinha dado no seu poderoso e muitas vezes maltratado Sinais (Signs).

Criado a meias por duas habituais presenças no Festival de Sundance, Brit Marling e Zal Batmanglij, que já tinham colaborado em Sound of My Voice e The East, OA partilha muito do código genético dessas produções, não só no caso da personagem conhecida como Prairie/OA, mas também no tribalismo e dos laços criados por grupos sobre pressão – estejam eles num cativeiro por opção ou forçados por um obcecado qualquer que quer ser o novo Copérnico. Referenciar Outra Terra (Another Earth), no qual Marling também participa, revela-se ainda obrigatório - até porque as temáticas da série e do filme tocam-se por diversas vezes.

OA começa com uma jovem mulher (Marling) a saltar de uma ponte mas sobrevivendo à queda. Aos poucos vai nos sendo entregue o seu pano de fundo, descobrindo o telespectador que esta estava desaparecida há sete anos e que sofreu alterações profundas. Para além de mudanças inexplicáveis que a tornaram para a sempre intrusiva imprensa num «milagre», Prairie, que agora se autodenomina OA, tem a sua história para contar – não só a nós como ao grupo de cinco pessoas que, entretanto, encontra pelo caminho e que lutam elas mesmas contra os seus demónios interiores e procuram o seu «eu invisível».

Marling, que dissesse se ter inspirado na força e complexidade das personagens femininas das animações de Hayao Miyazaki, como a Princesa Mononoke, é sem dúvida nenhuma o centro de todas as atenções pela sua ambivalência, fazendo sempre o telespectador andar numa corda bamba em acreditar ou não naquilo que nos vai contando – até porque não faltam mesmo temas como o imprisionamento forçado, a possibilidade de diferentes dimensões, a vida após a morte, premonições e até uma história de amor de contornos platónicos e celestiais. OA ou Prairie, como quiserem chamar, é uma verdadeira Matriosca (esta referência "russa" não é inocente), com camadas e camadas por revelar à medida que os episódios avançam.

A ela, e para além dos seus pais, juntam-se cinco personagens, todas elas parte de um liceu com os problemas típicos dos estudantes e professores: temos Steve (Patrick Gibson), o violento e problemático jovem que os pais querem enviar para um campo militar; Jesse (Brendan Meyer), um "orfão" sem rumo; French (Brandon Perea), um filho de uma família disfuncional que age como o elemento responsável, mesmo com a presença da mãe; Buck (Ian Alexander), com questões e problemas ligados à sexualidade constantes no seu dia a dia; e Betty (Phyllis Smith), uma professora desiludida e que sofre interiormente com a morte do seu irmão gémeo. A este rol de personagens somam-se outras tantas com quem partilhou o cativeiro no passado e cujas personalidades vamos conhecendo à medida que ela nos vais dizendo onde esteve nos últimos sete anos.

Viajando assim entre passado e o presente, o maior trunfo de OA é o seu constante sentimento de mistério (até no primeiro episódio, os créditos da produção só surgem bem lá para a frente), o qual nos prende sempre e sem que haja aquela sensação de episódios para "encher chouriços" para cumprir a formatação normal de 13 episódios de uma temporada.

A esse mistério acresce um drama ainda maior, e embora existam elementos que podiam ser melhor explorados e trabalhados (demasiadas conversas pseudo-metafisicas), OA acaba por cumprir e revelar que Marling e Batmanglij são mais que «darlings» de Sundance e têm mais para oferecer que os filmes indies que fazem as delícias dos Independent Spirit Awards.



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos