Menu
RSS


Berlinale: ao terceiro dia, a felicidade não mora aqui

Felicité

E ao terceiro dia, esta edição do Festival de cinema de Berlim dá três tiros no pé na secção competitiva. Se não havia grandes expetativas, também é verdade que não acabou por haver entusiasmos, tendo faltado aplausos na audiência e risos no júri.

Começámos com Felicité, drama francês em torno de uma mulher negra de classe baixa, cuja principal vocação é cantar nos cafés do Congo. Determinada a tudo, tenta a ferro e fogo obter uma maquia elevada para pagar uma operação ao filho, após este ter tido um acidente trágico de moto.

E felicidade não tivemos nenhuma. Alain Gomis agarra-se à pele da sua protagonista de forma pseudo-Dardenniana (muito nervosismo, mas pouca intimidade) usando-a para finalidades explorativas, daquelas que celebrizaram von Trier ou que foram levadas a um extremo de sadismo na Vénus Negra de Kechiche. Como tal, sob o pretexto de estabelecer um retrato sobre o amor de mãe, assistimos a uma mulher a ser, gradualmente, despojada do seu orgulho, sendo despedida, humilhada e até mesmo agredida de diferentes maneiras. Claro que Gomis tenta justificar o seu título, criando um happy ending malogrado que apenas arrasta, desnecessariamente, o filme por mais meia-hora do que ao que se pediria.

Final Portrait

A situação piorou com Final Portrait de Stanley Tucci (fora de competição), onde Geoffrey Rush interpreta o artista Alberto Giacometti na criação daquele que viria a ser o seu último trabalho na pintura. Making off’s de quadros já foram feitos de melhor maneira, como A Rapariga de Brinco de Pérola, filme que vivia de um trabalho de fotografia genuinamente pictórico e quase sobre-humano, bem como de encontrar no silêncio dos seus protagonistas uma maneira de progredir com a ação. E, embora a direção fotográfica de Danny Cohen não se desaproveite, o realizador opta justamente pelo inverso, havendo a permanência de diálogos cómicos filmados num registo escassamente cinematográfico e muito reiterativo.

Restou-nos a última sessão que esperaríamos que funcionasse como qualquer lenitivo. Ao invés, deparámo-nos com a comédia austríaca Wild Mouse, um produto meramente industrializado já com lugar nas salas de cinema assegurado e que não merecia ocupar um lugar dos dezoito destinados a candidatos da secção competitiva a concurso. Após 25 anos a trabalhar no mesmo jornal, um crítico de música (interpretado pelo próprio realizador Josef Hader) é despedido sem grandes justificações. Nos meses que se seguem tenta então vingar-se do seu antigo patrão através de atos de vandalismo, ao mesmo tempo que abre uma montanha-russa inspirada na música clássica que tanto venera.

Se a imprensa achou piada, o júri liderado por Verhoeven não, já que manteve uma postura quase sempre inerte face à visualização do filme. E com razão. Falta inteligência na encenação (toda ela raquítica),desenvolvimento e psicologia nas personagens, bem como um propósito que mostrasse que o filme tinha algo que lhe destacasse de produções semelhantes. Não tem e, independentemente do que o nome acarrete, este “rato” não poderia ser mais obnóxio.



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos