Menu
RSS


«El Niño» por Hugo Gomes

Daniel Monzón durante a apresentação de El Niño revelou que o seu filme custou cerca de 6 milhões de euros para concebido. Segundo este, o mesmo preço nos EUA serviria apenas para colocar Bruce Willis como protagonista. Uma obra cara para o cinema espanhol, mas um filme barato para o cinema de Hollywood. O mais impressionante neste efeito low cost é que El Niño não fica atrás em termos rítmicos nem energéticos dos imensos produtos de ação norte-americanos que invadem constantemente os nossos cinemas, tendo, e aqui roçando o cliché da crítica, menos pirotecnia de exibição.

Decorrendo entre o estreito de Gibraltar e o Norte de Marrocos, o novo filme do realizador do portentoso Cela 211 é um policial que por vezes funciona como uma narrativa entrelaçada sobre o trafico de droga da região. Aqui seguimos um agente da lei, Jesús (Luís Tosar novamente na colaboração), que tenta impedir a ascensão de um barão da droga inglês (uma participação especial, mas quase espírita, de Ian McShane), que se tem sempre conseguido esquivar às operações policiais. E em paralelo, a historia de dois jovens que tentam erguer-se no mundo da droga, mas o amor entre um deles e uma marroquina impede-os de avançar. Duas histórias injetadas do mesmo tema, mas diferenciadas por diferentes perspetivas, unem-se até certo ponto para nos demover a um espelho social da região, embora demasiado dependente da ficção "pipoqueira".

É verdade que El Niño é um filme, enquanto obra de ação, com qualidades inegáveis: as suas sequências de ação isentes de tecnologia digital são prova disso, e de certo impressionam, mas este novo trabalho de Monzón está longe de surpreender em apresentar-se como algo mais cinematográfico. Se a intriga da personagem de Tosar resulta na perfeição, já o habitual conto do vigário não. A história dos dois jovens no mundo do trafico é esboçada por um certo teor bacoco, ao qual se acrescenta um romantismo juvenil demasiado fraco para atingir relevância na intriga. Mais ainda quando é o jovem ator, Jesús Castro (cada vez mais ascendente na industria de cinema espanhol), a protagoniza-lo. O ator é demasiado inexpressivo e "limpo" para se sujar de emoções, uma prestação que é ainda prejudicada em comparação ao dos os "colegas", Jesús Carroza e Saed Chatiby.

Outro ponto negativos é a edição, a qual  evidencia uma certa pressa no processo, assim como a sua linguagem televisiva que nada acrescenta ao engenho já mostrado por Monzon no passado. Provavelmente El Niño nunca fora projetado como um "next big thing" do cinema de ação, mas a sua forma artesanal é já por si um motivo para merecer uma espreitadela.

O melhor - As sequencias de ação, o seu ritmo
O pior - edição e linguagem televisiva


Hugo Gomes



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos