Logo
 Imprimir esta página

Entre a "arte pela arte" e a fogueira das vaidades: começa hoje (17/05) o Festival de Cannes

O festival mais pomposo do mundo começa hoje (17/05) e termina a 28. Enquanto abrem-se as passarelas para a fogueira das vaidades fazer o seu desfile entre tapetes vermelhos e coquetéis à beira-mar, ficam para os suspeitos do costume a tarefa de salvar o conceito romântico de "arte pela arte".

É um "dream team" autoral numa programação irrepreensível: este ano a Seleção Oficial é de tal ordem precisa que nem desordeiros como Nicholas Winding Refn ou Paolo Sorrentino estarão por lá para a guerra dos apupos. E arte visceral... haverá?

Marion Cottilard volta dos mortos

Arnaud Desplechin e o seu Ismael's Ghosts garantem uma abertura caseira – com elenco de luxo: Matthieu Amalric, Charlotte Gainsbourg, Marion Cotillard, Phillippe Garrel. Amalric é um realizador prestes a iniciar um novo filme – quando a sua antiga amada (Cotillard) "retorna dos mortos" e torna a sua vida um inferno. Ele então remete-se à reclusão junto dos seus fantasmas. Por estas horas já exibido à imprensa (a sessão de gala é à noite), parece ter recebido uma ensurdecedora indiferença

De resto no alinhamento francófono há um François Ozon com seu (quase) infalível filme anual, Amant Double, o "artista" Michel Hazanavicius com Le Redoutable e o veterano Jacques Doillon com Rodin. Mas a maior promessa será Robin Campillo, que ainda não teve tempo de dececionar: fez apenas dois filmes e Eastern Boys, o anterior, é magnífico. O novo chama-se 120 Beats per Minute.

Murros no estômago e futurologia

Entre aqueles que raramente desiludem estão os cotados para atingir aquele píncaro que faz da arte uma experiência visceral. O maior de todos é Michael Haneke que, segundo previsões astrológicas bastante "precisas", vai levar a Palma de Ouro com Happy End: o cineasta é genial, Isabelle Huppert está no elenco e o filme é sobre um campo de refugiados no norte da França.

Se tudo correr bem numa segunda-feira potencialmente eletrizante (22/05), os presentes levarão um duplo murro no estômago: a fazer companhia ao austríaco estará Yorgos Lanthimos – que conseguiu segurar a pressão de uma estreia internacional com A Lagosta e agora traz The Killing of a Sacred Deer.

I'm afraid of americans

Da América as propostas circulam entre o indie-nova-iorquino hipster e as falsas promessas de Sofia Coppola. Entre o melhor espera-se Todd Haynes, cujo Wonderstruck tem sessão já amanhã, particularmente porque o último plano de Carol foi iluminado; já Noam Baumbach trás The Meyerowitz Stories e os irmãos Safdie (Benny e Josh) Good Time. Quanto à Sofia Coppola, que devia ir a Cannes escondida numa burca depois de Bling Ring, surge com The Beguiled.

Sem Liga dos Últimos

Click to enlarge image okja0003.jpg

O húngaro Kornél Mundruczó (de Deus Branco) nunca falhou o festival: cinco filmes, cinco presenças. O novo chama-se Jupiter's Moon. Por seu lado o russo Andrey Zuyagintsev, outro habitual, vem da megaunanimidade de Leviathan e aparece com Loveless, enquanto o ucraniano Sergei Loznitsa trás A Gentle Creature.

O naipe de asiáticos é do mesmo patamar de relevância: tem Naomi Kawase (Radiance), Bong Joon Ho (Okja) e Hong Sangsoo (The Day After).

Por fim, mas não menos importante, o sueco Ruben Östlund (The Square) vem do consagradíssimo Força Maior e Lynn Ramsay deixa a incógnita sobre o que virá com You're Never Really Here depois do estupendo Temos que Falar sobre Kevin ser seguido pelo desastre de As Armas de Jane (quando abandonou as filmagens um dia antes de elas começarem). Talvez o grande corredor por fora será o turco Fatih Akin, muitos anos depois do Urso de Ouro do Head-on- A esposa turca.  O projeto chama-se In the Fade.



Itens relacionados

Copyright © 1999-2017 C7nema. Todos os direitos reservados/All rights reserved.