Menu
RSS


Berlinale: um palmarés sem corpo nem alma

Um palmarés inesperado e polarizador o que o júri liderado por Verhoeven acabou por criar. Não era pouco expetável que On Body and Soul de ldikó Enyedi saísse o grande vencedor. A história de amor entre uma mulher emocionalmente distante e um homem com um braço paralisado, ambos trabalhadores de um matadouro, arrecadou boas críticas e aplausos entusiastas desde o começo. Mas Aki Kaurismäki já anda há 30 anos entre Berlim, Cannes e Veneza, ainda não tendo ganho o galardão máximo em nenhum deles. Daí que as preferências recaíssem (de forma perfeitamente justa) para o seu The Other Side of Hope, um dos melhores exemplos da sua carreira e o filme com maior relevância política da seleção competitiva. Teve de se contentar com o prémio de realização.

Já outro dos grandes favoritos, Una Mujer Fantástica de Sebastian Lélio, também era certo que seria premiado. Mas, erro crasso, o júri julgou que a força do filme residia no argumento, quando, na verdade, está distintamente na atriz Daniela Vega que se entrega e expõe completamente sendo capaz de acarretar durante hora e meia o filme às costas. Dela e do realizador, capaz de construir um elevado clima de tensão perfeitamente equilibrado com os desempenhos dos seus atores. O prémio de segundo melhor filme seria mais meritório com este caso do que Felicité de Alain Gomis, luta de uma mulher de classe baixa para arranjar dinheiro para a operação do seu filho. Filme pouco equilibrado e registado num estilo nervoso quase plagiado dos irmãos Dardenne, com uma última meia-hora que cria um happy ending mais forçado que propriamente recompensador.

Verdadeiramente inadmissível é a premiação do ridículo Spoor, thriller ecológico polaco onde uma assassina em série vegan mata caçadores em defesa dos animais numa Polónia em época de caça. Tratou-se do único filme da seleção a ser vaiado (embora tenha também obtido aplausos), mas isso não o impediu de arrecadar o prémio Alfred Bauer (atribuído a filmes que "abrem novas perspetivas da arte cinematográfica") por motivos que só o júri saberá.


Sobre os atores, Kim Minhee era a segunda favorita deste Festival (a seguir à já referida Vega) pelo seu fantástico desempenho em On the Beach at Night Alone. Mas Georg Friedrich parecia uma escolha fácil, se bem que não a mais acertada, já que Bright Nights de Thomas Arslan concentra-se inteiramente na relação de aproximação com o seu filho num road movie que, tal como o desempenho do protagonista, encontra-se num registo minimalista. Está, por exemplo, a milhas atrás do trabalho de representação de Mircea Postelnicu em Ana, Mon Amour, onde o ator transforma-se física e emocionalmente numa intriga complexa e que abrange vários anos do romance de um casal.

Foi por este filme, aliás, que a editora Dana Bunescu venceu o prémio de melhor contribuição artística. É, afinal, graças a ela que o filme adquire uma estrutura cronológica enigmática sem perder o ritmo. Mas o seu trabalho foi ultrapassado, por exemplo, em Beuys onde a montagem é usada de forma original, misturando excertos de filmes a still photos também baralhados cronologicamente e com uma estrutura ramificada e imprevisível. Outra séria consideração para este prémio seria mais uma extraordinária fotografia de Acácio d'Almeida em Colo, onde por um jogo de luz e sombra cria uma atmosfera intimidante e pouco esperançosa de uma família a atravessar a crise económica portuguesa.

Que Colo é um filme que exige da sensibilidade dos espetadores, já o sabíamos. Mas julgávamos que o júri a tivesse. Enganámo-nos e uma grande obra foi injustamente ignorada. Tal como o ótimo trabalho de elenco em The Party de Sally Potter ou a inovação na animação de Have a Nice Day de Liu Jian. É triste concluirmos esta edição de Berlinale dizendo que poderia haver mais corpo e alma neste palmarés.



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos