Menu
RSS


John Krasinski e o sucesso de "Um Lugar Silencioso" : "Há uma euforia misturada com ansiedade"

É o filme sensação de 2018. Executado com 17 milhões de dólares, A Quiet Place (Um Lugar Silencioso) já arrecadou mais de 255 milhões dólares globalmente.

John Krasinski é o homem do momento, não só porque atua no papel de um homem que juntamente com esposa tem de manter a sua família a salvo de criaturas que reagem violentamente a qualquer som, mas porque ele mesmo trabalhou no guião e realizou o filme.

Aqui ficam as suas palavras sobre alguns dos elementos chave da produção.

 

A unicidade do conceito de "A Quiet Place" e a forma como entrou no projeto

"Os produtores de Jack Ryan [que também conta com de Krasinski no elenco] tinham o guião e perguntaram: "Participarias num filme de género?" Eu disse: "Vou ser honesto, não faço filmes de género porque não sou muito fã disso, sou um verdadeiro gato assustadiço. Mas se é uma ideia boa, então talvez.
"Eles responderam:" Ok, então isto é sobre uma família que tem que ficar silenciosa e tens que descobrir a razão para isso. "Todas estas ideias inundaram-me. E quando eu digo que me inundaram, digo que, basicamente, em 12 horas praticamente tinha tudo na minha cabeça. Ia escrever e atuar [no filme]. Depois desci as e tentei apresentar a ideia à Emily [Blunt]. Ela disse: "Não podes apenas reescrever isso. Tens de o realizar. Eu nunca te vi tão animado com qualquer coisa na tua carreira. "

As inspirações para o terror
.
"Vi os clássicos, como o Tubarão, Alien e Rosemary's Baby, e todos os Hitchcocks. E eu queria que isto parecesse nostálgico, como se fosse em qualquer lugar / qualquer altura na América. Eu não queria parecer, sabes, ignorante nos filmes de terror, então assisti a todos os filmes modernos, como o Get Out-Foge, The Witch (A Bruxa), The Babadook (O Sr. Babadook), Don't Breathe (Não Respires) e assim por diante, pois queria ver como esses realizadores lidaram com a tensão. Foi interessante. Mas eu não queria assistir a esses filmes para retirar a técnica [deles]. Queria assisti-los para prestar atenção em como eles me faziam sentir em momentos diferentes. Foi isso que eu tirei deles."

O realismo e autenticidade da dinâmica familiar

"Tivemos muita sorte. Aprendi muito com aquelas crianças - não apenas como ator, mas como pessoa. Nós não precisamos calcar a intimidade que se vê na tela porque realmente gostei das crianças [com que trabalhamos] e a Emily também. Fiz parte de muitos projetos onde, como ator, tentam fazer com que a gente saia juntos para jantar. Eles dizem: "Vocês serão os melhores amigos no filme, então sejam o melhores amigos! Vão jogar bowling juntos! (...) Essa é a maneira de fazer as coisas".

Nós trouxemos as crianças e as suas famílias para a nossa casa, para que pudéssemos conhecer as famílias e elas também pudessem encontrar as nossas. Eu e a Emily aprendemos mais sobre como ser uma família com eles, observando como os pais estavam com eles e como eles estavam com os pais. Não foi um relacionamento forçado e falso. No set, quase sentimos como se fôssemos uma família num acampamento. Realmente parecia que passamos todos por algo juntos."

A escolha de Emily Blunt para o papel

"O engraçado é que enquanto eu estava a escrever o argumento, obviamente sonhava que seria a Emily [no papel de esposa e mãe]. Mas ela estava a trabalhar no Mary Poppins na época e nós tínhamos acabado de ter a nossa segunda filha, então havia muita coisa a acontecer nas nossas vidas. E a verdade é que também sou testemunha do quão específicas são as escolhas dela [como atriz].

As duas únicas maneiras que pensei em abordar [o assunto] eram ambas péssimas. Eu pedia-lhe para ela fazer o papel e ela dizia não. E isso iria ser tramado. Ou, ela diria sim, mas só estava a fazer isso por mim. E isso iria cair mal também. A maneira como lidei com isso foi não lidar! Reescrevi o guião e contei à Emily tudo sobre isso e ela ficou muito orgulhosa e feliz. Aí ela começou a recomendar pessoas para o papel. Mas um dia nós estávamos a viajar para Los Angeles e ela perguntou-me se podia ler o guião. Quando ela terminou, virou-se para mim e parecia genuinamente maldisposta. Quando eu peguei um saco para o vómito, ela disse: "Não podes deixar ninguém fazer esse papel." Eu disse: "Estás a dizer o que eu acho que estás a dizer??" Era como se ela se estivesse a propor a mim ou qualquer coisa parecida. No final, ela perguntou se eu a deixaria fazer esse papel. Acho que pensei nisso por 0,2 segundos e disse sim."

Trabalhar com Emily nas filmagens

"Tenho que dizer que na noite anterior a começarmos a filmar, ela virou-se para mim e disse: "Estás nervoso?" Eu respondi: "Aterrorizado". Ela replicou: "Oh, bom. Eu também." Nós não sabíamos o que esperar. Nós tendemos a manter as nossas carreiras separadas por razões egoístas.

Sabe, assistir ao Sicario foi um dos melhores dias do nosso casamento. Eu estava tão orgulhoso dela porque não tinha lido o roteiro e deliberadamente não tinha procurado muito sobre o assunto. Amo ser o seu maior fã. Nós sempre falámos sobre fazer algo juntos, mas nunca quisemos que a nossa história - casados na vida real - superasse qualquer história que estivéssemos a contar.

Aqui, no entanto, a história é muito boa, então o nosso casamento não parece afetá-la. Na verdade, acho que há algo bonito em sermos casados (na vida real) e estarmos casados no filme."

A escolha em Millicent Simmonds

"Primeiro que tudo, escolher uma atriz surda era algo não negociável para mim. Porém, não tinha ideia que iria teria uma das pessoas mais angelicais para ser a minha atriz surda! Não só ela foi brilhante, como foi o meu guia. Posso escrever uma personagem para ela, mas não sei quais são os seus sentimentos. E ela é tão articulada sobre eles e incrivelmente boa.

Todos nós aprendemos a linguagem gestual para que pudéssemos comunicar no set. O meu único arrependimento é que não aprendi ainda mais. Quando você vê a Millie comunicando com os pais, acho que não há uma linguagem mais bonita na Terra. Ela foi absolutamente fabulosa."

A criação e a reação do público

"Sendo sincero, realmente não sei o que dizer. Estreou. As pessoas estão a assistir e a adorar, o que é ótimo. Há uma euforia misturada com ansiedade. Parece que estou a 30 pés acima de mim e a regressar lentamente à Terra. São todos bons sentimentos. É uma ocasião muito bizarra. Muito parecida como quando levas os filhos para a faculdade pela primeira vez. Uma mistura de orgulho e ansiedade a colidirem para tornar esse momento realmente impressionante. Estou muito orgulhoso disso. Todos os dias sinto-me tão feliz por ter tido a chance de fazer [Um Lugar Silencioso]."



Deixe um comentário

voltar ao topo

Contactos

Quem Somos

Segue-nos