Menu
RSS


Étienne Comar: «há uma censura na imprensa de como um filme deve ser»

Étienne Comar é um nome há muito ligado ao argumento e produção de alguns dos filmes franceses mais interessantes dos últimos anos, como Timbuktu (produtor), Dos Homens e dos Deuses (argumento e produção), Meu Rei (argumento) e Gauguin - Voyage de Tahiti (argumento).

Com Melodias de Django, Comar acrescenta à construção do guião e à produção a sua assinatura na realização. No filme seguimos a história de Django Reinhart, o famoso guitarrista, compositor e considerado o pai do Jazz na Europa, que sentiu na pele a pressão que foi fazer música em Paris, na altura ocupada pela Alemanha durante a Segunda Guerra Mundial, em 1943.

Por ocasião da estreia do filme em Portugal e com a sua presença na Festa do Cinema Francês, o c7nema esteve à conversa com este «artesão» que crê que só sendo argumentista, produtor e realizador pode ter a liberdade que precisa para explanar o seu Cinema.


Porque escolheu o Django Reinhardt como o foco da sua primeira obra na realização?

Já faz muito tempo que eu queria fazer o retrato de um músico no Cinema, porque gosto muito da música e dos músicos. Eu mesmo cantei num grupo rock, e sempre amei tudo em torno das bandas musicais. E o meu pai era um grande admirador de Jazz e do Django Reinhardt. Eu ouvia muito a sua música quando era jovem. Um dia, ele disse-me: "sabes, o Django durante a Guerra, quando ouvimos a sua música fazia-nos esquecer o resto. Podíamos dançar, etc".Como eu queria fazer um retrato de um artista num período complicado da história, até para questionar o que é ser um artista durante esse período em que o mundo está mal - Que podem fazer os artistas? O que não podem fazer? - [O Django] era perfeito. Não queria contar toda a sua vida, ou outra parte da sua história. Foi esse período da vida que me interessou.

Como gosto da sua música, a sua figura quase rock n roll, e sim, eu adoro o rock n roll, e o Django é uma personagem um pouco "roqueira", antes ainda do estilo musical explodir. Estávamos nos anos 40 e ele foi o primeiro "roqueiro". Era caprichoso, fazia caretas, um pouco como o Pete Doherty (risos)... adorei toda essa trajetória da personagem que não tem armas para fazer a Guerra. A única arma que tinha era a guitarra e a música.

Gostava também do facto de ser um artista que não tomava posição... mesmo que pudesse dar a entender aos outros que era um cobarde ou um aproveitador. Gosto da ideia dele ser apenas obcecado pela sua música e ser apenas a música que o guia pela vida... Por isso, usei-o para um primeiro filme [na realização], e encarei tudo como um desafio...

E como trabalhou na investigação dos elementos históricos?

Na verdade não existe muita coisa sobre o Django, mas há muitos testemunhos. O que tínhamos dele não estava escrito; não tínhamos cartas dele, por exemplo. O que tínhamos era o que muitos disseram dele depois da Guerra. No ano em que a história se passa, nós sabemos que ele tocou para os alemães, sabemos que foi uma grande estrela em França, na Paris ocupada, que partiu com a mulher, mas não sabemos muito bem os detalhes e isso foi interessante para deixar espaço para a ficção. Não estarmos obrigados e agarrados a factos, mas ao mesmo tempo sermos respeitosos e sinceros.

Falei com a sua família, que me contaram algumas coisas. O outro coargumentista [Alexis Salatko] escreveu uma biografia sobre o Django um pouco maior, ele tinha os elementos e pegamos neles... depois imaginei como seriam as cenas, mas não sei se as coisas aconteceram tal e qual como eu imaginei. Por exemplo, o alemão que o vai ver e quer levar a Berlim, isso é tudo verdade, mas o que acontece depois, não sei. É isso que adoro, não ser obrigado a trabalhar com a precisão da realidade. Eu estava muito inquieto em saber o que pensavam do filme todas as pessoas que o conheceram, a sua família, mas todos acharam tudo bastante correto.

Quando trabalhamos com ficção, mesmo que inventemos pequenas coisas, existem emoções e sinceridade. E isso funcionou.

Por exemplo, nós sabemos que ele perdeu a partitura da música do final, mas não tínhamos nada sobre isso, tínhamos apenas uns registos de algumas notas que depois trabalhamos com o nosso compositor, o Warren Ellis. É bom porque tudo se passa no imaginário dele, ou seja, não está colado à sua realidade.


 Étienne Comar e Reda Ketab nas filmagens de Django

Quando escreveu o argumento já tinha o Reda Kateb na cabeça para o papel?

Ainda não. Pensei nele, mas ele não tinha ainda aceitado. Escrevi três, quatro versões do guião, antes de lho mostrar, evitando assim focar-me apenas nele. Tinha vários atores na cabeça para fazer esse papel, mas nunca procurei as semelhanças físicas, isto apesar de ele se parecer com o Django. Mas como não havia muitas fotografias, filmes e coisas sobre o Django, mas sim músicas, pudemos não nos preocupar em trabalhar nas parecenças a 100%.

O Reda tem uma grande habilidade de entrar numa personagem, como se fosse algo natural. É isso que adoro nele, ele não é um ator de estúdio. Isso era ótimo para o papel. O Jean Cocteau dizia que o Django era um «Doux Fauve» (Uma fera gentil), é um paradoxo, mas ele era assim.

E o restante elenco? A Cécile de France?

Foram todos escolhidos depois do argumento estar escrito.

Mas houve um casting ou escolheu de imediato?

Eu pensei na Cécile, mas quis ver como ela e o Reda atuavam juntos. Para a mim era importante ver quando eles se olham, sentir que fossem já "amantes". Quando nos juntamos fiquei com a impressão que não se conheciam, mas quando se encontraram já eram cúmplices. Funcionou bem, porque eu precisava de uma atriz que viesse um pouco de outro Universo que o dos ciganos, que fosse como da alta sociedade francesa, aristocrata. Até porque o Django esteve sempre nos dois lados. Ele estava com a sua família cigana mas ao mesmo tempo os notáveis, os artistas de Paris, antes da Guerra, adoravam-no.

Ele era capaz de ir às grandes mansões luxuosas e burguesas parisienses e na mesma noite regressar à sua caravana e ver a família. E ela [Cécile] exprime bem esse papel, em oposição à esposa do Django, que é muito diferente. Esse contraste é ótimo.

Já que falamos nas mulheres, é engraçado que todas elas são bastante fortes.

É um homem cercado por mulheres. Frequentemente nos grandes artistas, as mulheres estão lá. Nós vemos isso no filme...


Django

Sim, na mãe, na esposa, na amante...

Sim, ele não decide nada. É sempre a mãe ou a esposa que decidem por ele, ou então a sua amante. Nos ciganos, existe sempre o sentimento "macho", mas são as mulheres que decidem. É o matriarcado. E isso na sociedade mediterrânea é flagrante. A sua mulher decide quase tudo, a mãe negoceia o caché, a amante diz-lhe onde ele deve ir... eu gosto muito disso, porque ele fraqueja [com elas ao pé], mas ao mesmo tempo tenta demonstrar que é o Homem.

Você é produtor, argumentista e agora diretor. Como é ser isso tudo num filme?

Na verdade, é tudo o mesmo trabalho, mas em diferentes faces.

Tem mais liberdade?

É algo para mim natural. É um trio, argumentista, produtor, realizador, serão três pessoas diferentes? Bem, é preciso unir isso tudo, mas no final as contradições permanecem.

Para mim é a única maneira de ter liberdade total para fazer um projeto. Tenho tido a sorte de fazer filmes exigentes ... e posso ser exigente nos filmes que quero fazer. Juntar esses elementos permite-me trabalhar de forma artesanal, ser um artesão de tudo. Eu sei que se escrevi isto, sei o que vou encontrar mais tarde. Se realizar isto, sei o trabalho que me espera... aquilo que preciso.

Para mim é uma sorte [trabalhar nos três campos no mesmo filme] e espero que possa continuar a acontecer.

Este ano coescreveu ainda um filme sobre Gauguin, outro "biopic"... Este é o ano das cinebiografias?

(risos) Eu não sou um especialista de biopics. Eles propuseram-me um filme sobre o Gauguin, e eu adoro o Gauguin, e adorei esse período da vida dele, do final dos seus dias. Não penso em nenhum filme, mas já li muitas coisas sobre ele. E ainda antes de avançarem com esse filme, propuseram-me fazer um sobre ele. Eu respondi que sim, mas dadas as circunstâncias [filmar Django] não queria fazer outra cinebiografia... Eles queriam fazê-lo antes do Django, mas a produção atrasou-se.

É interessante inspirarmo-nos numa personagem real. É muito interessante. Temos de encontrar a personagem longe de ti, porque é um filme histórico, mas ela está também perto de ti. É todo um jogo de distâncias; aproximar o que está longe, e afastar o que está perto... É como se entrássemos na sua cabeça. Gosto muito de fazer filmes sobre algo real, como [os argumentos que escrevi] do Dos Homens e dos Deuses, Haute Cuisine - Os Sabores do Palácio]. São coisas que me tocam.

Vincent Cassel em Gauguin

Mas com o Gauguin há uma polémica...

Pois, eu sei. O argumento que escrevi tinha muito mais coisas nefastas sobre o Gauguin. Tinha a parte em que ele esteve com a doença venérea (...) a escolha (de Edouard Deluc) não foi mentir. Ele não mentiu. Ele decidiu foi basear-se no diário da viagem do Gauguin, o Noa Noa.

Quando lemos esse caderno da viagem, que foi o próprio Gauguin que escreveu, vemos que está escrito de uma forma muito sentimental. Porque ele viu a história como sentimental (...) quando olhamos para a realidade do guião anterior, é verdade que era mais duro, e eu tomo o partido de mostrar uma história mais dura. Mas ele preferiu essa ideia [mais romantizada] (...) Vamos lá ver, naquela época - mesmo que seja uma coisa louca de se dizer nos dias de hoje - o conceito de jovem era muito diferente.

No Taiti, as mulheres casavam-se aos 13 anos, 14 anos. Não é como se ele tivesse raptado uma jovem, violado. Bem, há sempre um julgamento nas palavras. No argumento que escrevi tudo era muito mais ambíguo, porque eu adoro a ambiguidade. O Edouard preferiu outra linha, algo mais atraente, e a verdade é que se pegarmos no Noa Noa vemos que é muito romântico como história. Ele (Gauguin) escreveu assim porque desejava uma história romântica, ele queria isso, até porque a vida com a sua esposa já não existia. Ele sonhava em se tornar romântico (...) Claro que os jornalistas lançaram a controvérsia, 'ele mentiu', etc... O Edouard não mentiu. Ele fez uma ficção, não foi um documentário.

Acha, como o Mel Brooks disse recentemente, que vivemos tempos demasiado politicamente corretos?

Acho que atualmente há uma censura na imprensa de como um filme deve ser. O Cinema sempre misturou a ficção e a realidade, mesmo nas histórias verdadeiras. O ponto de vista do realizador não é tão aceite como um autor na Literatura. Por exemplo, na Literatura não há problema de alguém inventar. Veja a Joyce Carol Oates, que escreveu o Blonde (2000). É totalmente inventado, mas ninguém diz nada.

No Cinema, que vive das imagens, queixam-se, mas o princípio é o mesmo. Por isso acho que essa polémica... bem, é bom colocar a questão, mas criticar lá de cima..."ah, é mau porque...". Sim, há uma polémica, mas não devemos criticar o filme como obra de Cinema. Podemos fazer isso pela mise en scène, ou outras coisas.

Aqui o que temos de ver é que ele [Gauguin] escreveu um diário de bordo que se entranha perfeitamente na tonalidade do filme.

Uma coisa que disse é que adora a ambiguidade e isso faz-me lembrar o Meu Rei, que também coescreveu e que para mim é dos melhores filmes franceses que vi nos últimos tempos...

A sério?

Sim, sem dúvida.

Tenho de transmitir isso à Maïwenn (risos)


Meu Rei

(risos) Sim, eu adoro a Maïwenn, mas o que queria perguntar é se transporta para todos os argumentos que escreve essa ambiguidade?

A vida é ambígua. Você hoje está simpático e amanhã pode não estar. Eu posso estar bem hoje e amanhã terrível, um verdadeiro sacana. A ambiguidade das pessoas é algo que me fascina. Num argumento, quando alguém faz qualquer coisa, que ele diz que pensa, é um caminho, mas quando ele faz qualquer coisa, diz outra coisa e pensa uma terceira coisa, é isso que me atrai. Isso é que me interessa....

Para o Django foi o que tentei fazer. Mostro que ele ganha com o sistema, mas ao mesmo tempo quer ser livre. Ele ama a sua esposa e ao mesmo tempo a sua amante. E isso é possível!... Não faz dele um sacana...

E tem um novo projeto?

Sim, dois novos argumentos prontos.

Como realizador?

Sim

Pode falar deles?

Ainda é muito cedo, mas posso dizer que são duas histórias contemporâneas.

Li algures que vai produzir apenas os filmes que realiza...

Comecei na realização demasiado tarde, por isso vou concentrar-me nos meus projetos. Se puder ajudar outros projetos a concretizarem-se, assim o farei. Eu coproduzi um filme que não realizei, que se foca nas mulheres que combatem o Estado Islâmico no Curdistão, mas os projetos que escrevo agora vão ser os que vou realizar.

E trabalhar para a Netflix, para as novas plataformas, pondera?

Ainda não, toda a gente agora quer trabalhar para o Netflix ou Amazon.

E acha que estas plataformas podem matar o Cinema, como alguns dizem?

Não, não, não. Diziam o mesmo sobre a televisão. Não matou o Cinema. O que essas plataformas obrigam é a pensar o Cinema de forma diferente.



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos