Menu
RSS


Entrevista a Alain Gomis - «A vida é uma aventura impossível»

Vencedor do grande prémio do júri (2º melhor filme) na 67ª edição da Berlinale, Felicité é um drama sobre uma mulher de classe baixa que vive em Kinshasa e luta para poder pagar a operação do filho, após este ter um acidente de moto.

O C7nema teve o privilégio de entrevistar o seu realizador, Alain Gomis, a propósito do mesmo, numa conversa em roundtable com meios russos, alemães e franceses.

Este filme é sobre uma mulher, mas também sobre Kinshasa. Porque escolheu esta cidade?

De uma maneira, é uma cidade que representa o mundo "sem maquilhagem", onde as relações entre as pessoas são muito diretas e fortes. Há uma espécie de liberalismo cru nela, um capitalismo selvagem derivado da sua estrutura bastante frágil, para não dizer inexistente, que sobreveio da guerra e do colonialismo.

Gostaria de discutir a forma consigo já que se trata de uma ficção que mais parece um documentário.

Pretendo criar, a pouco e pouco, imagens brutas. Deixar que a força do filme resida nas pessoas que filmo. A beleza aparece da forma mais simples no ambiente, sem artifícios e de forma sincera. Mas é um movimento gradual. Começa como uma ficção e avança para uma parte documental.

A atriz Véro Mputu não é profissional. Como a conheceu e como aceitou ela o papel?

Fiz 3 dias de casting e apesar de ela não estar confiante, manifestou grande desejo em entrar no filme. Ela tinha uma grande força e mostrou um grande envolvimento com a personagem, o que me levou a mudar a minha perspetiva dela. Causou-me uma forte impressão.


A forma como se agarra à personagem lembrou-me o Rosetta dos irmãos Dardenne. Foi alguma influência na construção deste filme?

Não. Conheço o filme e respeito o trabalho deles, mas não queria fazer um filme sociológico. Queria entrar na personagem, ver o interior de qualquer pessoa nessa aventura impossível que é a vida. Sobre a maneira de filmar é porque quis manter-me livre, por isso, levei um grupo pequeno e flexível de pessoas. Queria um truque de reportagem, que a minha câmara e a audiência entrassem na zona de conforto e de intimidade da personagem na sua vida quotidiana. Cada dia no set foi uma loucura porque há centenas de coisas que queremos fazer. Mesmo a sequência no hospital. É autêntico e duro. Não tínhamos dinheiro e no filme ouvem-se pessoas a sério a chorarem porque duas ou três vezes por dia alguém morria. Devemos algo a estas pessoas. É por isso que este filme é tão poderoso e intenso.

Li uma entrevista onde disse que "Não ser capaz de amar a própria vida é uma das grandes formas de violência que existe". No seu filme, apesar da tragédia por que a protagonista passa, ela escolhe ser feliz. É a felicidade uma escolha?

Não acho que seja uma escolha, acho que é uma longa jornada. Não podes dizer apenas "Escolho ser feliz", tens que deixar que ela venha ter contigo e entre em ti. Talvez num ponto se estiveres pronto a perder tudo, coisas mágicas podem acontecer porque, às vezes, é preciso perder tudo para ver as coisas simples. É o que acontece no meu filme. Ela é uma mulher muito forte, mas de alguma maneira quer-se desconectar da vida. Não é capaz de se deixar ser amada. Muitas pessoas sentem-se assim porque todos os dias os média dizem que a vida não é boa o suficiente. O que não é verdade.

Pode falar um pouco sobre o financiamento do filme e da importância que a Berlinale tem para ele?

Fi-lo com um pequeno orçamento, sem grande eficácia comercial. Daí que seja importante para todos os envolvidos no filme que ele passe num festival como a Berlinale. A indústria cinematográfica é toda sobre o dinheiro e há coisas diferentes quando os filmes são feitos desta maneira. O festival permite mostrar alguma outra coisa. Isto permite a chamada de atenção de outras instituições que nos financiem. Temos de lutar para existir. E é ótimo estar aqui, mesmo que as pessoas se questionem, indignadas, "O que é isto?". Adorei fazer este filme. Foi um grande compromisso e um enorme prazer.



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos