Menu
RSS


No banco do jardim com o culpado por «Holocausto Canibal»

ruggerodeodatomotelx 4

Uma esplêndida noite de setembro em Lisboa. Atrás de nós as “falanges terroríficas” dirigem-se ao cinema São Jorge para as sessões do Motelx; à nossa frente, entre a visão dos carros e do teatro Tivoli, do outro lado, sento-me num banco da Avenida da Liberdade com Ruggero Deodato, o homem que inventou Holocausto Canibal, exibido na noite anterior, um dos mais longevos atentados ao bom senso e à hipocrisia da história do cinema.

O filme conta a história de um antropólogo que se dirige à Amazónia à procura de um grupo de quatro aventureiros que por lá desapareceram um ano antes. O objetivo destes últimos era penetrar no “inferno verde” até lugares nunca visitados pelo homem – e onde viviam terríveis tribos canibais. Este foi um dos primeiros filmes a valer-se do found footage – recurso popularizado quase duas décadas depois pelo Projeto Blair Witch. Aliás, lembrar desta fraude torna ainda mais “saboroso” o encontro com o que este filme oferece…

 

Quem são os canibais, afinal?

A nossa rápida conversa envolveu a sua participação no festival e, obviamente, aquelas questões que o homem de 77 anos responde há muito, muito tempo…

E vai continuar a responder: durante a sessão Deodato foi atacado verbalmente por membros do público do Motelx a propósito, outra vez, da crueldade contra os animais – num filme de resto famoso pelos empalamentos, violações, esfolamentos, agressões com paus e pedras pontiagudas e, claro, canibalismo – com consumo à bruta, sem cozinhar nem temperar. 

Para justificar a ementa e o picante da iguaria, o filme também apresenta uma história paralela onde o antropólogo questiona a insaciável voracidade por sangue dos media e do público que o consome – um comentário sobre a sociedade contemporânea que culmina com o célebre “quem são os canibais, afinal?”.

 

O rei das monstruosidades

Mas, antes disto, começo por perguntar ao cineasta porque, depois de 36 anos, continua-se a falar em Holocausto Canibal, um feito notável quando o cinema em geral, o de terror em particular, já experimentou todo o tipo de monstruosidades…

Sim, é incrível. Eu revi o filme e ele parece-me novo, como se tivesse sido feito ontem. A longevidade deve-se ao facto de que, se o filme é velho quando se trata de uma história de canibais, é novo quando se faz um paralelo com o mundo da agora – com as guerras, as mudanças climáticas, o desaparecimento das florestas… Estes acontecimentos sustentam a longevidade do filme”, teoriza.

 

A arte de chocar e enojar à italiana

A linhagem de Holocausto Canibal remete aos “Mondo Filmes”, invenção italiana que, nos anos 60, correu o mundo exibindo “achados antropológicos” nas mais diversas regiões do globo com um objetivo bastante explícito – chocar e enojar as audiências (e fazer dinheiro, claro). Já nos anos 70, os descendentes de Nero e Calígula competiam com os norte-americanos em ultra-violência no cinema – quando os italianos se especializaram no subgénero dos canibais.

De facto”, diz Deodato. “Era muito comum em Itália que, quando um filme tinha sucesso, uma série de outros vinham logo a seguir. Aconteceu quando Sérgio Leone inaugurou o western spaghetti, Pasolini fez o Decameron ou Mario Bava no género horror. Não foi diferente no caso dos filmes de canibais”.

 

 

Homem mata o filho com instrumento que usava para cortar carne

No dia seguinte à entrevista passo por uma sala de espera repleta onde um programa de auditório da TV aberta promove uma “investigação criminal” com o seguinte título – que nunca abandona o ecrã: Homem mata o filho com instrumento que usava para cortar carne”.

Não entendo por que a realidade é consumida passivamente num programa vespertino enquanto Holocausto Canibal choca muita gente. Deodato também não. “Às vezes pergunto à audiência sobre isso, mas eles não conseguem explicar. Penso que a ficção é muito mais forte do que a realidade – pelo menos no caso de Holocausto Canibal. Talvez os filmes sejam mais fortes por causa das possibilidades de se trabalhar o material através da montagem, da música, da imagem”.

De resto a mensagem do filme continua mais atual do que nunca. “Eu odeio os media. Odeio quando há um terrível acidente, com 200 mortes, e eles vão lá entrevistar o pai que perdeu um filho e perguntam ‘como você se sente’? Vão se f*!” (risos).

 

Tartarugas e galinhas: “eu amo os animais!

Numa das cenas icónicas e, deve-se dizer, realmente difíceis de “engolir”, dois homens arrancam da água uma tartaruga gigante e a esquartejam impiedosamente numa demorada e explícita sequência. “Na selva isto é normal”, defende-se o realizador – que já sabe que estamos no famoso terreno das acusações de “crueldade contra os animais”.

Eu já disse tudo sobre isso, tenho explicado isso durante 36 anos. Além disto, qual é a diferença entre isto e matar uma galinha no quintal? Eles, no filme, também comeram a tartaruga! É estúpido ter de explicar isso. Sou velho e já vi coisas assim, mesmo no meu país, muitas vezesEu amo os animais! Além disto, já vi muitos realizadores de blockbusters fazer isso e os críticos dizem ‘ah, que bonito’! Já o Deodato é ‘isto e aquilo’! Eu não entendo” (risos).

 

Ma che cazzo! Umberto Lenzi non!

Deodato está muito habituado a responder diplomaticamente a acusações de hipocrisia e de crueldade com animais, mas fica furioso quando se fala no seu conterrâneo Umberto Lenzi e até abandona o seu inglês macarrónico. “Ma che cazzo, sempre Umberto Lenzi! Ma per che? Non posso piú!” (risos).

Para os pouco conhecedores do subterrâneo reino das atrocidades da exploitation à italiana, Lenzi foi outro entusiasta das marchas pela selva a dentro à procura de.… enfim, selvajaria. Mas Deodato não gosta dele? “Não é isso, é um bom diretor para filmes de aventura, mas quando faz imitações de filmes de canibais ele é péssimo. Eu preparo os décors, ensaio os atores, os índios… Sou completamente diferente. Diferente!”.

 



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos