Menu
RSS


«Berlin, I Love You» por André Gonçalves

Tudo começou em Paris... a cidade internacionalmente reconhecida como a "cidade das luzes" e a capital do amor. Vinte e dois (!) realizadores foram convidados para realizar 20 histórias a decorrer nos bairros históricos da cidade. Entre os quais contavam-se os irmãos Coen, Olivier Assayas, Walter Salles, Alfonso Cuáron, Alexander Payne, Wes Craven, Isabel Coixet, Tom Twyker e Gus Van Sant. Cada um a operar num estilo, a tentar honrar o "bairro escolhido". O sucesso de Paris Je T'aime de 2006, obrigou inevitavelmente a sequelas. Foi então criada a fundação (outra palavra para franchise) "Cities of Love", e de Paris passámos para Nova Iorque e Rio de Janeiro com resultados previsivelmente cada vez mais diminuídos. 

Chegamos então a Berlim. Neste quarto capítulo da saga estamos reduzidos a 10 histórias, que se intercruzam, não se fechando necessariamente em 10 capítulos isolados. O mote parece ser "sem barreiras", quebrando assim o estereótipo clássico de um filme-antologia - o que terá sido uma decisão racional para representar uma cidade que ainda mostra marcas do muro que a dividiu grande parte do século passado...

Passadas as apresentações e a palmadinha no ombro, chega então a altura de derrubar a parede: Berlin, I Love You faz lembrar uma sequela daquelas que encontrávamos diretas nos clubes de vídeo, onde as superestrelas do filme original deram lugar às linhas Z, as "atrizes" e "atores" por encomenda, e ocasionalmente uma Tara Reid ou duas. Sim, temos aqui os nomeados/vencedores de Oscar Helen Mirren, Keira Knightley e Mickey Rourke a pagar contas, ou com apostas perdidas. Pois aqui, fala-se das estrelas atrás das câmaras. 

Dos dez nomes, em vez de estrelas promissoras, temos fantasmas de passados relativamente distantes resgatados de prateleiras empoeiradas (Peter Chelsom, de Serendipity - Um Acaso Com Sentido, Fernando Eimbcke de Temporada de Patos e Josef Rusnak de The Thirteenth Floor) como cabeças de cartaz. Podia contar aqui um top 10 de eventos que acontecem ao longo deste filme, mas arrisco a tornar o filme mais irresistível do que realmente é. É um objeto de uma mediocridade e inabilidade em concluir bem 10 vezes uma história que de certo modo, necessita ser vista, contudo.  

Pode-se dizer que, por um lado, a cidade em si sai mal representada, sem qualquer identidade, para além de um segmento de animação inicial que nos contextualiza historicamente de uma forma didática. A partir daí, é usado o muro numa referência, uma dança em reencontro com o passado, e pouco mais. Fosse essa a menor das ofensas, contudo. O problema principal é nenhuma destas dez "histórias" terem uma conclusão satisfatória. E não falo de uma satisfação pipoqueira (aliás, no seu segmento pior, envolvendo Rourke e uma loira misteriosa, tenta-se miseravelmente um twist de deixar cair pipocas que se adivinha logo a partir do momento em que o incidente é mencionado). Numa perspetiva otimista, temos aqui boas ideias à deriva (uma "piloto inteligente" que serve de guia, um "rapto" de uma criança refugiada), completamente subaproveitadas, sem punchline ou catarse à altura, sendo a moral das histórias empurrada goela adentro. 

Teremos sempre Paris, mas Berlim, enquanto capital mundial do desejo (se não amor), merecia bem melhor. 

 
André Gonçalves



Deixe um comentário

voltar ao topo

Contactos

Quem Somos

Segue-nos