Menu
RSS


«Casa de Vidro» por Hugo Gomes

Há aqui um gesto amorável por parte do realizador Filipe Martins: a utilização do Cinema como veiculo de preservação da memória, seja ela afetiva ou, como neste caso, um fruto do quotidiano. Segundo este, Carlos, um sem-abrigo toxicodependente, que mendiga nos parques de estacionamento de um supermercado, era uma imagem presente nos seus dias. Junto à margem do Douro, muitos habitantes demonstravam a sua empatia a este constante “forasteiro” que dormitava num antigo expositor de automóveis, a sua “casa de vidro” que iria converter-se no signo imposto pelo título - Casa de Vidro.

A curta de Filipe Martins joga pelas regras do docudrama português, encenando uma realidade próxima a dos envolvidos, e através dessa, emana um subtil simbolismo apresentado na jornada deste homem e no recolher ao seu “aquário” pessoal. A projeção de um refúgio erguido pela fragilidade (quebradiça) das suas paredes, a casa de vidro foi um “lar” improvisado, para mais tarde cair no esquecimento, na mesma altura que Carlos falece (durante a pós-produção). A demolição destes quatro cantos representam não só um novo começo para aquela comunidade (a queda de um símbolo arquitetónico), mas o fim de um homem que deixará saudades aos poucos que o tinham como certo nas suas rotinas diárias. Existe uma atitude de admiração e ao mesmo tempo de condescendência para com esta trágica figura. O filme apoia-se no seu caracter e rodopia na construção do seu ecossistema.

Não será certamente a curta que irá desbravar as limitações hoje associadas a anos e anos de pratica docudramática no nosso panorama, mas é certo que deparamos aqui um modesto exercício que cresceu para um filme pessoal e demarcado pela subtil humanização.

Hugo Gomes



Deixe um comentário

voltar ao topo

Contactos

Quem Somos

Segue-nos