Menu
RSS

 



«Blockers» (Os Empatas) por João Oliveira

Blockers é um filme que parece querer fazer a audiência pensar que se deparará com a típica comédia hollywoodesca a que estamos habituados, através do seu título e trailer, onde o riso é pouco e a noção de humor paira por lá porque assim tinha de ser. Não podemos negar que o filme não anda longe disso.

O filme é um cúmulo de banalidade cómica para os mais crescidinhos que junta o que aprendemos com American Pie e Ted num novo enredo com uma história original. Fora todos os elitismos; a atração principal deste filme será sempre John Cena, que tal como Dwayne Johnson, agora que desistiu do Wrestling, dedica-se a fazer comédias perecíveis, tal como esta. Não será um sucesso para a história nem se tornará uma referência entre os filmes de comédia, mas garante gargalhadas e situações cómicas – o que já é mais do que as comédias a que temos assistido nos habituaram a receber.

Em termos gerais, o filme é original, cada personagem é distinta das outras e não recorre a piadas previsíveis e gastas. É indiscutível que podia ter corrido muito pior do que correu e que toda a gente esperava que corresse; parte desse problema está no cerne do filme: é um filme sobre pais que querem impedir as filhas de perder a virgindade. O mundo em que vivemos é um mundo delicado e sensível a estes temas relacionados com a sexualidade e principalmente a feminina. Confesso que esperava chegar e ver ou uma visão insensata e alienada destes debates ou uma rendição absoluta à onda de sensibilidade político-social atual através de conversas moralistas. Um pouco como os primeiros vinte minutos do Black Panther.



Pelo contrário o filme maioritariamente foge a todo este mundo de guerras de sensibilidade, os pais estão a agir impulsivamente, e nos compreendemos isso então não questionamos a moralidade das suas ações; sabemos que estão só preocupados. Há, no entanto, dois momentos em que o filme aborda diretamente este assunto, o da sexualidade. O primeiro é terrível, assustou-me e pensei que seria a partir desse momento que todo o filme se tornaria moralismos baratos, já o segundo é muito bem conseguido. Este dá-se quando Kayla (Geraldine Viswanathan) pergunta a Mitchell (John Cena), seu pai, a razão de o sexo ser visto deste modo; o pai podia dar-nos um sermão sensível, mas o filme sabe que não o deve fazer, então apenas nos dá uma resposta que melhor pode ser descrita como honesta ou mesmo genuína: "I don't know." E o filme continua. Claro que eu compreendo a ironia de falar de genuinidade numa produção industrial de Hollywood, mas é sem dúvida uma resposta inteligente, tanto dentro como fora do filme, talvez seja mesmo esse o ponto alto do todo filme. Contrasta grandemente com o outro primeiro momento; aquele que me ainda hoje me faz tremer. Esse momento é protagonizado por Sarayu Blue (Marcie) onde, e digo de modos muito básicos, nos dá uma lição de moral sobre emancipação feminina. Felizmente as personagens fogem de lá à mínima oportunidade. Este momento existe porque tem de existir para que ninguém seja apedrejado na praça pública do Twitter.

No geral, o filme é banal e supérfluo e provoca aquilo que uma comédia tem de provocar, risos. Não é um filme inteligente ou pensado daí além porque nem todos os filmes têm de o ser e por vezes é bom entrar numa sala de cinema para rir e nunca mais pensar naquela hora da nossa vida; "from each according to his ability, to each according to his needs". Recomendo? Bem, se não estiverem muito ocupados...


João Oliveira



Deixe um comentário

voltar ao topo

Contactos

Quem Somos

Segue-nos