Menu
RSS


«Le Livre d'image» (O Livro de Imagem) por Hugo Gomes

Porque estás triste?

Porque falas para mim com palavras e eu para ti com sentimentos.

Contigo não se pode ter uma conversa, tu nunca tens ideias, sempre sentimentos

Não é verdade, há ideias em sentimentos!

Pierrot le Fou (Jean-Luc Godard, 1965)

 

… que poderá ser respondido com “a condição do Homem – pensar com as mãos” neste Le livre d'image, onde se confirma o cineasta franco-suíço como um Deus da Destruição, a destruição pelo seu próprio trabalho e pela própria ideologia. Enquanto no anterior Adeus à Linguagem esse apetite dizimador era por si previsto no titulo, o abandono da ideia de Cinema, ou melhor, da linguagem cinematográfica (erro seu, visto que na destruição surge a criação e no filme galardoado em Cannes de 2014, encontramos uma linguagem na não-linguagem), com este novo trabalho, adivinha-se [especulação], portanto, um filme-testamento. E sob esse signo nasce uma lei termodinâmica, a entropia.

O caos, novamente em vigor para nos induzir uma das doutrinas mais antigas de Godard, o valor da imagem, quer desfeita, quer renegada (como a intervenção cruel à sequência de Johnny Guitar). Em sua execução, Le livre d'image funciona como literatura em estrofes, solicitando ao espectador a tarefa de atribuir simbolismo a toda esta desarrumação, o interpretarmos e o associarmos às nossas ideias e identidade. É um filme que nasce connosco, como também pode morrer connosco, e é essa razão porque a tristeza abala-nos. Godard já não pensa mais em Cinema, não pensa mais em imagens nem aufere carinho por estas, “rasga-as” e as enquadra desordenadamente em contexto nenhum.

O mesmo se aplica à sonoplastia, desde os trechos dos filmes recortados até ao seu monologo que o indicia num mundo aparte (“terrorismo é uma das melhores armas”). Sim, o debitar de pensamentos de um ativismo algo burguês sem ligações aparente que desvanece da mesma forma que as imagens … já disse o quanto maltratadas estão? Se sim, então não é de mais repetir. A certa altura pode-se ler num dos intertítulos a palavra Remake, porta direta ao “refazer”, ao “reconstruir”, ao “refilmar”, ao “remontar”. Sim, é um remake, claro e possível de The Three Disasters, curta sua que integrou o filme triádico 3X3D, a continuação de um ego sem fenomenologia, superior … arrogantemente superior.

Com isto me despeço com o sentimento: se o Cinema Morreu foi porque Godard simplesmente deixou de acreditar nele.

Hugo Gomes

(texto originalmente escrito em 11 de maio de 2018)



Deixe um comentário

voltar ao topo

Contactos

Quem Somos

Segue-nos