Menu
RSS


«Jim & Andy: The Great Beyond...» (Jim e Andy) por André Gonçalves

"Quando o filme acabou, já não sabia quem eu era. Não sabia qual era a minha política. Não me lembrava sobre o que era eu. " - Jim Carrey a falar sobre a sua performance em Man on the Moon, em Jim & Andy: The Great Beyond

O que é representar senão perdermo-nos na personagem? Em 1999, Jim Carrey, até então o comediante mais querido da América decidiu jogar tudo, e ir com o "método" celebrizado por Lee Strasberg. A epifania, em boa verdade, e como este Jim & Andy: The Great Beyond - Featuring a Very Special, Contractually Obligated Mention of Tony Clifton bem mostra, veio até antes de Andy Kaufman, Tony Clifton e Man on the Moon, com Truman (The Truman Show) e o seu mundo fechado, cerrado por mentiras, por limitações, que um dia se abre. 

Mais do que uma obra individual sobre estas duas figuras - Jim Carrey e Andy Kaufman - este documentário, tradicionalmente composto, vive acima de tudo da metamorfose de um noutro, até o espectador deixar de ver uma mera imitação e passar a ver uma verdadeira assombração. É que o método que Carrey seguiu foi ao ponto de, ao longo das rodagens, aparecer com o personagem. Personagem este que por sua vez se transforma num fantasma vivo para quem conviveu de perto com ele, reaparecido como que de um nevoeiro para a sua família "real" - a geneológica e a do palco - com quem partilhou o seu génio.  

Este ato arriscado (infelizmente premiado singelamente com um Golden Globe, tendo sido este um dos três casos gritantes em que a Academia de Hollywood lhe barrou portas - os outros dois sendo The Truman Show e Eternal Sunshine of the Spotless Mind) teve consequências em que a arte imitou demasiado a vida - como aconteceu no episódio real, e partilhado em todos os media, em que o ator decidiu mesmo levar o combate no ringue de wrestling, como em todo o restante filme, "a sério"- i.e. sem qualquer recurso a duplos - e acabou no hospital, exatamente no mesmo estado (uma maca, e uma tala para o pescoço) como a personagem encarnada acabou. 

Outro pormenor interessante, destas filmagens de bastidores, intercaladas com o Jim Carrey atual a falar da vida como uma grande interpretação tão Kaufmaniana como Goffmaniana (de Erving Goffman, sociólogo que afirmou a nossa identidade social como sendo uma grande performance para uma dada audiência), é a resistência relativa de Milos Forman a toda a brincadeira, que chegou a um ponto a temer pelo término da sua película. O realizador foi aqui um mero captador, e não um incentivador do lunatismo capaz de levar a um estado de quase demência. A tal perda de identidade, após esta experiência de possessão especial. 

Carrey refere a experiência como simultaneamente algo tão inesquecível como incapaz de sentir saudades. Este filme, longe de ser um produto tão memorável e desregrado como a história que conta, não deixa de ser um documento importante sobre vida e representação. 

 

André Gonçalves

 



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos