Menu
RSS


«Zombillénium» por Jorge Pereira

À vista desarmada, como ouvi uma criança dizer no final da sessão, Zombillénium parece um primo de Hotel Transilvânia, nem que seja por ter vampiros, lobisomens, múmias, bruxas, fantasmas e outras criaturas como os protagonistas. Porém, sendo esta animação 3D de origem franco-belga e baseada numa banda desenhada criada pelo próprio realizador, Arthur de Pins, estamos perante um filme bem mais abrangente, adulto e frontalmente político, algo que não acontece nas animações norte-americanas atuais (pelo menos de forma tão explicita) que chegam às salas comerciais.

O conceito é simples: estamos no norte de França, local onde a maior atração da pequenada é um parque temático, o Zombillénium. Os monstros trabalham aí para escapar ao escrutínio popular e fugir ao Inferno. Quando Hector, um inspetor do trabalho, visita o local para ver se tudo está em conformidade com a lei, é transformado numa dessas criaturas, deixando a pequena filha orfã e entregue a um colégio interno (a mãe também já tinha falecido).

Com a chegada de Hector ao mundo dos monstros, chega também a mensagem política. Pins, que já tinha construído uma curta em 2010 chamada a Revolução dos Caranguejos, sobre um crustáceo que decide ir contra a sua natureza e mudar de rumo, cria neste parque temático uma nova revolução, a dos mortos-vivos, onde não falta o sindicato - há cartazes que anunciam a Intersindical dos Zombies - e investidores em busca do lucro máximo.

Vistos como feios, assustadores e inferiores (a eterna luta de classes), em particular pelos vampiros, que entretanto se tornaram ícones charmosos para os visitantes, os zombies levantam-se contra os opressores, havendo também por aqui uma mensagem bem clara às novas tendências da literatura e cinema, com uma estaca espetada especialmente no coração de Twilight: a transformação dos vampiros em símbolos culturais sexualizados para os adolescentes, fugindo assim àquilo que sempre foram: criaturas que provocavam o medo.

Ao capitalismo, que acaba por ser o grande foco do filme a par das relações familiares como mais abaixo veremos, pouco importa se as pessoas querem sentir medo ou fascínio, desde que o dinheiro flua. Tampouco importa se quem lidera são zombies ou vampiros (na linha de Twilight, Sangue Quente tentou fazer um romance zombie).

Na verdade, o parque temático e o enredo apenas replicam o que acontece nos dias de hoje em todas as empresas, acabando por ser toda esta fita uma enorme alegoria do mundo do trabalho em que vivemos. E apesar de alguns textos nervosos vindos dos EUA, com a Variety a declarar quase o filme como uma lavagem cerebral Marxista para a mente dos jovens franceses, Pins e Alexis Ducord, o corealizador, vão aplicando ferroadas a um lado e outro da lei do mercado, sendo particularmente hilariante a forma como apresenta os sindicatos, mesmo caindo demasiadas vezes nos estereótipos fáceis (o mesmo se aplica no tratamento aos investidores-patrões).

Paralelamente a isto, o duo de cineastas nunca se esquece do outro caminho da narrativa, o da importância das interações familiares, aqui tratados com particular destaque, mas sem grande profundidade, na relação de dois pais com as filhas, Hector & Lucie e Gretchen & Diabo*, - e entre pessoas de diferentes gerações (a guerra musical entre Hector e Gretchen é um mimo).

Se é verdade que o filme nunca triunfa plenamente em todas estas dimensões, é correto também dizer que pelo menos tem mais que uma camada; é que se os miúdos não vão entender muitas das piadas e referências políticas e culturais - a música electro rock e neo punk de Mat Bastard, as t-shirts de NIN e o famoso Leave Britney Alone, ou o "thriller" de Michael Jackson, sem se usar a música porque a produção não tinha dinheiro para comprar os direitos-, também é verdade que se vão divertir com os outros elementos mais familiares aos seus olhos: a injustiça, as relações paternais e o humor slapstick universal.


Jorge Pereira

* é curioso que até o Diabo hoje foi transformado em algo sexy, com a série Lucifer a dar cartas na TV



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos