Menu
RSS


«War Machine» por André Gonçalves

Ao longo do último mês, a Netflix tem estado na mira. Após ter sido alvo de críticas e apupos no Festival de Cannes, por não distribuir os seus filmes em sala, como qualquer outra distribuidora desde que o cinema é cinema, a Netflix continua ainda assim a apostar forte em obras de grande orçamento. War Machine é a obra mais cara do seu catálogo com 60 milhões de dólares - 10 milhões acima de Okja, outra parceria com a Plan B de Brad Pitt.

E é o próprio Brad Pitt aqui a cabeça de cartaz de uma história de guerra que pretende à partida ser uma sátira da guerra dos Estados Unidos com o Afeganistão. Um Brad Pitt grisalho no papel de um general que liderou as tropas num período pós-Bush, que acaba por ser uma caricatura de cartão sem grande piada, infelizmente um mero reflexo de todo o filme à sua volta, repleta de outras personagens-tipo menores encarnadas por alguns atores de relevo, igualmente desperdiçados (Ben Kingsley, Emory Cohen, Topher Grace, e um cameo de Russell Crowe em jeito de apanhado final).

De facto, é difícil perceber para que público se dirige esta obra anónima, pedestre e ultimamente irritante na sua profunda inaptidão, cuja maior surpresa que nos tem para revelar é mesmo sabermos que o realizador David Michod está à frente deste empreendimento - o mesmo realizador que há meia dúzia de anos recebeu hossanas de todo o mundo pelo respeitável Animal Kingdom. Ambiguidade é geralmente encarada como um traço positivo, mas a ambiguidade demonstrada aqui é apenas outro sinónimo para falta de personalidade e cobardia em tomar um lado político concreto.

A "sátira" aqui está livre uma única piada certeira nas suas duas longas horas; não nos rimos nem com o filme, nem dele. Mas pior pode ser mesmo a tentativa de puxar algum drama na segunda metade, quando tudo o resto falhou, quando a "voz off" do narrador a tentar espetar por si as ditas piadas se acalma um pouco. Uma mostra extra de moralismo bacoco (e ainda assim, cobarde!) tão desnecessária como a suposta comédia de guerra que nos foi prometida... 

Muito se tem falado sobre a liberdade criativa sobre um filme que uma plataforma como a Netflix oferece aos seus autores. Sobre Okja, por exemplo, o coreano Bong Joon-ho tinha revelado precisamente que teve controlo total sobre o seu próprio filme e os seus 50 milhões de dólares. Mas a verdade cruel é que War Machine parece tão ou mais estilhaçado que uma produção de grande estúdio que tenha sofrido uma dúzia de revisões e tenha ficado a ganhar poeira numa prateleira, tão mau ou pior que o pior que a "velha" Hollywood mercantilista nos trouxe nos últimos tempos. O filme mais penoso de 2017 até ver.

 

 

André Gonçalves



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos