Menu
RSS


«Big Jato» por Jorge Pereira

É muito curiosa, doce e sofisticada esta adaptação do livro Big Jato, de Xico Sá, por parte de Cláudio Assis, ele que tem deixado a marca no cinema brasileiro com filmes como Amarelo Manga (2002) e, especialmente, a Febre do Rato (2012), com quem esta produção partilha o foco no «poeta».

Mantendo uma linguagem cinematográfica ímpar e centrando a sua atenção no comportamento humano, em especial de personagens que se sentem fora do sistema, no filme seguimos Francisco (Rafael Nicácio), um jovem para quem a sua localidade do interior, a fictícia Peixe de Pedra, e as pessoas com quem coabita são prisões para a sua ambição poética de conhecer o mundo e alargar horizontes.

Dividindo a sua atenção por um trio de figuras que o ajudam a moldar a sua personalidade, é no seu tio radialista (Matheus Nachtergaele) que ele encontra o estimulo para esse "sair da casca", isto enquanto o seu pai (também interpretado por Nachtergaele) educa-o na base da agressividade, do machismo e da aspiração a uma vida mais terra a terra. Não são poucas as vezes que ele diz a Francisco para ele ser mais como o filho mais velho (Vertin Moura), mais ligado à matemática e menos à poesia, coisa que para ele é para frouxos e um desperdício. Frases de desprezo como «Prefiro perder um filho para qualquer coisa no mundo, menos para a poesia»  mostram bem a essência desta personagem profundamente conservadora e que parece querer que a sua família seja mais um fóssil num local que ganhou seu nome devido a isso mesmo.

Pelo meio temos ainda longas conversas de Francisco com outra personagem marginal, o Príncipe, um poeta de rua (Jards Macalé) da povoação com quem o miúdo vai contando as coisas da sua vida, como as paixonetas e os problemas, que não são poucos e passam por constantes choques com o pai (apresentado muitas vezes alcoolizado), mas também com os colegas da escola, o quais gozam sistematicamente por ele ser filho da Merda – numa referência ao trabalho do pai, que consiste em limpar fossas.

O bom disto tudo é que Assis consegue transpor para o grande ecrã uma história muito pessoal com todos os elementos que a transformam num assunto universal. Às expetativas e imposições do legado familiar, nasce a ambição de algo mais, o de não querer ter a vida que os seus pais têm, o de construir o seu próprio caminho. O cinema tem abordado por diversas vezes este tema e, se pensarmos bem, pegando apenas num pequeno exemplo, o tio de Francisco funciona para ele como uma versão mais anarca, punk-rocker e rebelde, típica dos anos 1970, do Alfredo de Cinema Paraíso, que o faz divergir de um destino castrador para o qual parece condenado.

Por outro lado, ao colocar muitas vezes no olhar de um miúdo em plena transição para a idade adulta o ponto de vista do filme, Assis perde o sentido de provocação que caracteriza muito a sua obra, mas ganha um tom mais infantil, doce, poético e melancólico, como que dizendo que devemos aceitar a evolução do mundo e do pensamento, mas sempre olhar para trás com uma certa nostalgia: "Eu sai de Peixe de Pedra, mas esse peixe nunca me abandonou", diz Francisco no final.

Se a "máquina de escrever é poesia e computador é prosa", então Big Jato é um belo exemplo de mais um poema lírico de Assis no cinema brasileiro.

O Melhor: Uma história pessoal com cariz universal
O Pior: Alguma pseudo-filosofia na busca do poético


Jorge Pereira



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos