Menu
RSS


«Edge of Seventeen» por André Gonçalves

Quando Nadine, uma adolescente inconsciente do seu potencial, se dirige um dia ao seu professor, tentando desculpar-se com a morte do pai, quando este morreu efetivamente há já alguns anos atrás, e este mostra um calendário sobre o período limite sobre o qual aceita a morte de um parente próximo como justificação, essa é precisamente a grande "gaffe" do filme e um breve resumo sobre o que este Edge of Seventeen encerra: um estudo sobre o processo de luto contínuo na adolescência e as consequências que isso pode acarretar numa etapa já de si difícil para qualquer jovem.

Estando a ser encarado como um digno sucessor, quer da comédia de adolescentes dos anos 80 popularizada por John Hughes (Sixteen Candles, Pretty in Pink), quer por iterações posteriores (como Clueless de Amy Heckerling, ou Mean Girls de Mark Waters), Edge of Seventeen tem, com as devidas distâncias, matéria suficiente para também ser objeto de culto de um nicho de mercado - nomeadamente, e principalmente, parece um filme talhado para todas as Nadines com que nos cruzamos todos os dias.

Kelly Fremon Craig, na sua primeira aventura pela realização, adota um ou outro lugar-comum, mas no cômputo geral, consegue subvertê-los e gerar aqui uma linguagem que justifique atenção. O seu argumento dinâmico e com mais "gaffes" que a acima citada (para que fique assegurado), tenta assim adotar uma estrutura na primeira pessoa, onde predomina uma visão feminina sobre algo socialmente mais invisível que os adolescentes idiotas que só pensam em ter sexo - algo que possa potencialmente passar ao lado de uns quantos espectadores do sexo masculino.

Ainda assim, pese este chamado "olhar feminino", haverá aqui um ponto-chave perto do final, onde a submissão feminina face à figura masculina poderia até fazer crer que o argumento tinha sido escrito por um homem e não por uma mulher...

Em suma, um filme de adolescentes, que, não reinventando de todo a roda e pese uma ou outra cedência narrativa questionável, tem o cérebro e o coração no devido lugar.

O melhor: um filme de adolescentes com cérebro e coração.
O pior: algumas cedências narrativas.


André Gonçalves



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos