Menu
RSS


«The Autopsy of Jane Doe» (A Autópsia de Jane Doe) por Jorge Pereira

 

Depois de ter dado nas vistas com O Caçador de Trolls, um ensaio found footage que de forma imaginária pressupunha a existência das criaturas míticas do imaginário nórdico, André Øvredal remete-se a um trabalho de menor escala com A Autópsia de Jane Doe.

Por natureza, as morgues são por si só antros macabros no cinema, locais psicologicamente frios, física e emocionalmente, onde pernoitam os mortos e normalmente se aterrorizam os vivos.

Ainda há bem pouco tempo surgiu um filme que jogava bem com o confinamento do espaço, a sua mistica, a sua claustrofobia e os demónios prestes a serem ostracizados através da mais pura das vinganças. Falo de O Cadáver de Anna Fritz, um belo exemplar do cinema de terror minimalista catalão que criava, com escassos recursos, uma verdadeira turbulência emocional do primeiro ao último minuto.

Neste A Autópsia de Jane Doe, às limitações do espaço (praticamente todo o filme se passa na sala de autópsias ou nos corredores da morgue), o realizador acrescenta um ponto emocional empático, ao colocar como protagonistas um pai e um filho, Tommy (Brian Cox) e Austin Tilden (Emile Hirsch), médicos-legistas numa pequena cidade norte-americana. Quando surge o corpo de uma jovem não identificada, que aparentemente foi brutalmente assassinada e encontrada na cave de uma família, os dois metem-se ao trabalho e à medida que vão tentando deslindar a causa da morte daquela mulher (Olwen Kelly), vão percebendo que há elementos que não fazem sentido e desafiam mesmo a ciência, o que os leva a crer que não estamos perante "uma morte" comum.

O melhor de A Autópsia de Jane Doe é que as personagem e situações fogem a muitos dos estereótipos do género. Os nossos protagonistas são homens da ciência, inteligentes e escapam ao cliché das personagens superficiais a terem atitudes inconsistentes e irracionais devido à fonte de terror e ao pânico instalado. Øvredal coloca assim duas personagens confrontadas com algo que ultrapassa a lógica (a ciência), sem nunca cair no erro de ceder a exageradas explicações, estórias, lengalengas espirituais e sustos baratos. Em vez disso, o filme prefere a início a sugestão, aprofunda-se com mistérios atrás de mistérios, nunca esquece algum humor negro, e culmina num ambiente de tensão, ficando o espectador com a sensação que a história não ficou por ali – naquilo que é a sua maior fraqueza, dada a previsibilidade.

De resto, é curioso ver que Øvredal fez, de certa maneira, o percurso inverso dos cineastas europeus, que a maioria das vezes se destacam por pequenos filmes locais e migram para Hollywood em projetos de maior dimensão. Neste caso, A Autópsia de Jane Doe é bem mais contido e menos ambicioso  que O Caçador de Trolls, mas curiosamente funciona melhor. 

O Melhor: A tensão, as personagens atípicas (verdadeiramente inteligentes) num filme de terror, o não cair em grandes explicações (apesar delas existirem no último terço)
O pior: Aquele final a puxar para mais um filme...


Jorge Pereira

 



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos