Logo
 Imprimir esta página

«The Dinner» por Paulo Portugal

Filmes sobre jantares reveladores em que tudo acontece não são propriamente uma novidade no cinema. No caso deste The Dinner tudo acontece de acordo com os requisitos de menu estilizado servido num restaurante de luxo. E o manjar até começa bem, de acordo com as regras da etiqueta, se bem que à medida que as iguarias vão sendo servidas, os elementos de requinte trabalhados originalmente no romance do holandês Herman Koch, são adaptados por Oren Moverman, a lugares mais escuros da realidade burguesa americana até se alcançar o seguinte dilema: até onde iremos para proteger os nossos filhos?

A questão acaba por ter uma ressonância maior quando ficamos a perceber que a verdadeira razão para esse jantar de família tem por detrás um ato de injustificada violência cometido pelos filhos adolescentes de dois irmãos, o político Stan Lohman (Richard Gere) à beira da aprovação de uma importante lei que poderia ajudar a sua carreira, e o professor Paul (Steve Coogan) que nunca conseguiu superar a forma como foi sempre o segundo na sua família algo disfuncional e que racionaliza tudo através de metáforas de guerra.

Este quarteto de luxo é complementado ainda pelas respetivas mulheres, Claire e Katelyn, com réplicas igualmente intensas por parte de Laura Linney e Rebecca Hall. Temos então um filme de diálogos e de interpretações, percorrido por flash backs destinados a esclarecer os elementos que conduzem às grandes decisões que esta família terá de tomar. Naturalmente, a revelar toda a intensidade deste quarteto de atores, em particular Steve Coogan, particularmente brilhante num registo entre a suave loucura e acessos constantes de um humor ácido demais. É que segundo ele, a guerra é movida por amor, onde o happy end é impossívelComo numa tragédia grega. E o que vamos ter é, basicamente, um terreno de guerra, daí a comparação feita à decisiva batalha de Gettysburg, em 1863, no momento decisivo da guerra civil americana.

Esta é também uma viagem à geração do youtube, à violência e prepotência da vida burguesa e ao branqueamento das suas ações. No filme, tudo parte de um clip revelador de um crime hediondo envolvendo os seus filhos e um sem-abrigo. A esse respeito recordamos, e não por acaso, Temos de Falar Sobre Kevin, de Lynne Ramsay, mas se calhar até nos socorremos do sucedido recentemente da morte provocada pelos filhos do embaixador do Iraque em Portugal. Sim, à mesa acabarão por ter de falar sobre o que sucedeu com os seus filhos Charlie e Rick, mas igualmente perceber em que medida esse ato poderá ser branqueado ou exigir uma justa penalização. Em última análise, um dilema com que todos somos confrontados.

Depois de O MensageiroRampart – O Renegado Viver à Margem, Moverman compõe mais um retrato incomodo da realidade americana, embora permita também uma auscultação individual do pulsar das nossas próprias contradições. Pelo caminho, aborda ainda os reflexos das doenças mentais e tudo aquilo que reside por detrás das diferentes fachadas. Subtil e intenso, The Dinner é um calórico menu emocional sobre a natureza humana.

Paulo Portugal



Itens relacionados

Copyright © 1999-2017 C7nema. Todos os direitos reservados/All rights reserved.