Menu
RSS


«On a Milky Road» (Na Via Láctea) por Duarte Mata

Emir Kusturica fez um filme sobre as duas coisas que valem a pena discutir e que ao fim de milénios nem sabemos ainda se existem: O Amor e Deus. Que, ao fim e ao cabo, podem bem ser um só.

O cineasta sérvio já não fazia uma longa-metragem desde que em 2007 retornou ao Festival de Cannes (onde sempre foi aclamado) com Promessas. O seu mais recente trabalho passou por uma produção infernal de 3 anos, de demolições de cenários, repetições de cenas já arrumadas e inexaurível paciência. O resultado é um trabalho épico, de maravilhamento inesgotável e magia libertadora.

Passado na decorrência da Guerra dos Balcãs, um leiteiro prestes a contrair laços matrimoniais (o próprio Kusturica) conhece, no meio de todo o caos uma mulher, também ela recém-casada (chamada de “A Noiva” a cargo da sempre belíssima Bellucci). Após verem os horrores que a guerra lhes havia reservado, lançam-se juntos numa fuga impossível, onde o fantástico e o real se fundem numa permanência alígera de imagens de pura beleza romancista. 

É da memória que se vive, afinal. Da História (“baseado em três histórias verídicas e muita fantasia”, é assim que começa) do Cinema (um casal a mergulhar de uma cascata, culminando num abraço sob as águas, tal qual A Atalante de Jean Vigo ou, ainda, a introdução da personagem d’A Noiva com o seu rosto lacrimejado numa sala de cinema, como contracampo a um filme antigo, tornando-se a Anna Karina dos nossos dias) e do imaginário infantil deste realizador (montado num jumento e usando o seu guarda-chuva como escudo, recorda o o caráter íntegro de Sancho Pança)

Desta forma, somos embalados lentamente pela capacidade singela de Kusturica em contar histórias. Somo-lo com aquele grande plano do rosto de Bellucci quando diz: "A minha beleza é uma maldição porque desperta o que de pior há nos homens." Somo-lo naquele abraço protetor de uma serpente (personificação do Diabo, como é dito a certa altura) em pleno tiroteio, no mais intenso misto de som e fúria que vimos recentemente. Somo-lo quando a seriedade destes temas é abafada por breves momentos de humor slapstick. Somo-lo quando cada efeito visual (mesmo que imperfeito) é usado, não como critério exibicionista obrigatório, mas como elemento de apoio necessário para a criação de um ambiente rural discretamente fantasista, fruto do imaginário sequioso do realizador. Ou, ainda, somo-lo naquele plano aéreo final, mostrando aquilo a que Coppola chamou em tempos um “jardim de pedras”, com a mesma simbologia.

E já não há mais filmes assim… Gansos a banharem-se em sangue suíno, falcões peregrinos a investirem contra helicópteros, amantes a serem engolidos pelo céu… Quem faz um filme como Na Via Láctea acredita que no cinema não está tudo visto. E mostra-o.

O melhor: O regresso à atividade de um cineasta que fazia falta, num filme imprevisível e mágico.

O pior: O ritmo, por vezes, apressado e algum CGI já datado.

Duarte Mata



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos