Menu
RSS


«Kater» por André Gonçalves

HTFile

"Kater" significa gato. O gato em questão é Moses, um adorável "pachá", que serve de adereço perfeito a um casal vienense aparentemente perfeito. 

Suspeitamos que o "perfeito" dará rapidamente lugar ao desconforto, como aliás os cineastas austríacos com maior projeção internacional (Michael Haneke, Jessica Hausner) nos habituaram. Mas nada nos prepara para o preciso momento em que a vida pacata do casal Stefan e Andreas dá uma reviravolta, causando um azedume na relação irreparável.  

O grande choque vem cedo, e com ele começamos de facto a perceber melhor o propósito artístico do realizador Klaus Handl (premiado com o Teddy Award em Berlim com esta película): o gato é inicialmente testemunha e prova de felicidade para posteriormente ser o símbolo da perda de controlo de uma relação. Os sinais são desde logo evidentes, em retrospetiva: Stefan é músico de uma orquestra da qual Andreas é produtor; é também Andreas o gestor da relação pessoal idílica. Já perto do final, Andreas, que nunca demonstra o descontrolo emocional de Stefan, questiona-o se o que ele fez foi subconsciente como ato de sabotagem da relação. 

Da dupla de atores, quem tem o trabalho mais difícil é indubitavelmente Lukas Turtur no papel de Stefan - os seus surtos são desconfortáveis na melhor das hipóteses e desafiam a credibilidade no pior dos cenários (mas seria a relação retratada nos primeiros 40 minutos mais credível?); enquanto Philipp Hochmair (Andreas) sai-se melhor na figura tal como a personagem que interpreta é sempre o bastião de segurança - um efeito perverso de um filme que nos coloca a partir de um certo ponto em constante estado de alerta sobre o que vai acontecer. 

O andamento é deliberadamente lento, e sabe apresentar, a partir sobretudo da segunda metade, os pontos mortos do dia-a-dia de um casal de uma forma sempre insinuante ou como momentos de potencial risco de vida.

O excesso de contenção e de necessidade de nos conduzir a "locais perigosos", ao mesmo tempo que nos torna vigilantes e preocupados com o que possa vir a acontecer nos segundos seguintes, também paradoxalmente faz-nos sair do filme por uns momentos. Com o passar da primeira hora, sentimos que tudo pode acontecer. Se felizmente Handl não toma uma saída fácil, ou não maximiza mais o choque passado, o desconforto comum transforma-se em confusão à saída da sala, servindo tanto de trunfo como de farpa a quem esperava sentir mais, de um modo mais imediato. Suspeito que tenha sido essa a intenção desde a génese da obra.  

O melhor: a sensação de desconforto, a colocar-nos no lugar do protagonista "descontrolado". 

O pior: Tanto desconforto eventualmente acciona o mecanismo de defesa e distanciamento emocional. 

André Gonçalves



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos