Menu
RSS


«La Patota» (Paulina) por Hugo Gomes

Uma verdade tem sido dita sobre Paulina, é que o filme de Santiago Mitre tem a capacidade de abanar consciências, mas é certo que nem todas as consciências são iguais nem sequer a sensibilidade do espetador. Como tal é fácil apontar o dedo e referi-lo como um fruto do ativismo feminino ou da emancipação da mulher enquanto figura idealista e convicta dos seus próprios atos. Mas o que vemos é uma simples "embirração" entre pai e filha e é com base nisso que a obra prefere desculpar-se perante o cenário aqui exposto.
 
A intriga segue uma mulher que luta contra a vontade do seu progenitor de fortes vínculos patriarcais, assim, sob um jeito desafiador, parte para uma localidade rural algures entre a fronteira argentina e paraguaia para lecionar os mais necessitados dessa região. O encontro com essa comunidade torna-se, no que aparentemente seria uma experiência fortalecedora, num desagradável choque cultural. É que na verdade os seus alunos encontram-se tudo menos interessados nos debates sugeridos por Paulina e a desordem é o habitual nestas aulas, mas o pior estava para vir. Numa noite, sozinha e a caminho de casa, Paulina é atacada e estuprada por um grupo de jovens locais. A partir desse violento episódio, a nossa protagonista terá que viver com os traumas induzidos e manter intactas as suas ideologias desde então formadas.
 
O vencedor da Semana da Crítica de Cannes, Paulina corresponde a um filme de fortes traços de realismo formal, um tom que é injetado neste assumido remake de La Patota (Desonra sem Passado). A outrora obra de contornos classicistas e novelistas do muito "populacho" Daniel Tinayre, é agora convertido num embrião de I Spit in Your Grave, sem os óbvios artifícios gore. Contudo, o "plot" vingativo mantém-se, não como um confronto direto, físico e sangrento aos seus agressores, mas emocional ao próprio progenitor. É tudo uma questão de provocação e pelo meio uma distorção dos padrões sociais e dos maniqueísmos que reflete na sua personagem (brilhantemente interpretada por Dolores Fonzi), mas o filme confunde essas ideologias próprias da homónima figura com o registo narrativo, sendo que a dita aliciação acaba por ser dirigida ao espetador.
 
Até aqui tudo parece bem, mas Paulina é incapacitada em manusear e diferenciar a personagem do filme propriamente dito, acabando tudo por ser uma "traquinice" de uma rapariga mimada e mal comportada. Santiago Mitre, realizador de El Estudiant e colaborador habitual de Pablo Trapero, tenta incutir uma obra cujo instinto é descartado, sendo que a rebeldia contra os vínculos passados é o seu maior objetivo. No final, tudo se resume a uma tentativa de ser politicamente incorreto, enquanto só se sabe ser politicamente correto.   
 
O melhor - Dolores Fonzi
O pior - não separar as águas entre a ideologia da personagem e a ideologia do filme
 
Hugo Gomes
 
 


Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos