Logo
 Imprimir esta página

«Captain America: Civil War» (Capitão América: Guerra Civil) por Hugo Gomes

Capitão América reencontra o seu amigo de infância, agora inimigo da SHIELD e da ordem mundial, Bucky Barnes, num apartamento em Berlim. Neste secreto encontro, Bucky tenta convencer o nosso herói da sua inocência quanto a um tenebroso atentado à Sede das Nações Unidas, cujas provas apontam para o seu envolvimento. Entretanto, surge a notícia de que tal edifício está cercado pela polícia de intervenção alemã e a única forma de ambos escaparem da massa policial é através dela. Bucky garante ao nosso amigo "que não irá matar ninguém". As sequências seguintes são de uma brutalidade avassaladora, o denominado Soldado do Inverno e o Capitão América tentam sair do prédio, golpeando, atirando "borda-fora" e fortemente batendo nos ditos policiais. As imagens são evidentes, são poucos os que conseguem resistir a tais golpes. Toda esta cena vem provar o que não precisa ser provado, estamos perante a um filme inconsequente nos seus atos. Tudo muito bem, o problema é quando se joga com a politica.

A Marvel prometeu uma Guerra Civil, baseada numa homónima série de BD, porém, o resultado é deveras dececionante. Como já referi, neste franchise da Disney o terreno é fertilmente politico, digno do cinema adulto, mas o que consegue é  um ensaio pueril que brinca com as ditas politicas da mesma forma que movimenta figuras de ação. Tudo começa com uma chamada aos tempos da Guerra Fria, que depois dos nazis disfarçados que fora a organização antagónica HYDRA, chegam-nos os fantasmas da União Soviética, com o modelo do Candidato da Manchúria como primeira base.

O anterior Soldado de Inverno continua a fazer das suas, integrado em mais missões terroristas que servem de pano de fundo para uma conspiração  global. Mas o problema não está nos vilões “vermelhos”, mas sim nos próprios Vingadores, cada vez militarizados e convertidos em forças especiais a operar nos locais mais remotos em defensa de um estilo de vida próprio, o qual acreditam piamente. Depois de uma missão que terminou em tragédia em Lagos, Nigéria, vitimando mais de uma dezena de civis, as Nações Unidas engendram um plano, não para destruir a iniciativa dos Vingadores, mas destituir os seus poderes e a liberdade destes, sendo que a única solução é uma interligação à NATO, na qual só operariam caso fossem precisos ou convocados.

É um registo teoricamente interessante seguir este território pantanoso no subgénero de super-heróis.Christopher Nolan conseguiu-o com a sua trilogia protofacista (O Cavaleiro das Trevas) e a última estância da DC Comics (Batman V Superman) sombreia a responsabilidade da imensidão dos poderes num só individuo. Mas a Marvel, ligada à sua Disney, apenas consegue proclamar ideologias fascistas e anárquicas no seu Capitão América, confundindo-as com alusões de liberdade individual e em politicas maniqueístas, e nada de ambiguidades. Guerra Civil vai ao encontro dessas doutrinas e crenças, transformando o Homem de Ferro e os seus “seguidores” a tomarem responsabilidades governamentais, como os verdadeiros vilões da fita. Com “brigas” atrás de “brigas”, o filme acaba por transmitir uma visão de um Mundo e esta “realidade” é estabelecida como a mais correta das verdades.

Conclusão, temos super-heróis politicamente perversos ao serviço de um argumento inconsequente que parece ter sido escrito por uma criança de 5 anos com toda aquela harmonia típica da Disney. Conforme são as nossas ações e posições, acabamos por ser todos “amigos” perante uma causa comum. A moralidade no seu "melhor"!

Mas o pior é que como é um filme de super-heróis bem oleado, ninguém leva a sério estas politiquices jogadas num só norte. Infelizmente, é por estas e por outras que, com a ajuda dos ávidos seguidores de BD, filmes como estes são venerados e aclamados como produtos cinematográficos de requinte, até porque o que interessa é saber quem ganha no confronto Capitão VS Homem de Ferro, e o Homem-Aranha, "enfiado a martelo”, apenas presente para providenciar futuros capítulos (um registo imaturo que só vem a provar para quem são direcionados este tipo de produções) .O restante é simplesmente “peanuts”.

 

O melhor - A "Pantera Negra" poderia ter sido uma personagem e tanto …

O pior - tirando as brincadeiras politicas, a homogeneidade do produto, a saturação deste tipo de produções, ficamos então pelo enfadonho Homem-Aranha, ou diríamos antes, Adolescente-Aranha!

Hugo Gomes



Itens relacionados

Copyright © 1999-2017 C7nema. Todos os direitos reservados/All rights reserved.