Menu
RSS


«Jia» (The Family) por João Miranda

Uma das reações à perceção da velocidade acelerada da vida moderna tem sido o adoptar de um ritmo mais lento, quer no estilo de vida com pedidos constantes de "take it easy", quer na comida com a "slow food", quer nos media com a "slow tv" (poder-se-ia fazer uma análise ao uso do inglês em todos eles, mas este não é o local). Jia parece querer inscrever-se nesse registo. Com quase cinco horas, o ritmo assumido é o de um casal de idosos reformado que seguimos enquanto estes visitam os seus filhos. A referência óbvia a fazer é a Tokyo Story de Yasujiro Ozu, um dos filmes que surge merecidamente em listas dos melhores de sempre, mas afasta-se dele em vários pontos, não só na duração: a indisponibilidade dos filhos para com os pais não é tão agressiva e estes não são vistos como empecilhos.

Se há um grande problema com este filme é a sua duração: é absolutamente incontornável. A experiência de vê-lo aproxima-se mais ao binge watching do streaming do que ao cinema. A sua divisão em regiões parece torná-lo propício a isso mesmo, com a narrativa a ser organizada em diferentes "capítulos". Mas essa proximidade não o beneficia: se olharmos para cada um desses capítulos como unidades vemos que não se passa nada que justifique o tempo que têm. Pior: se olharmos para os vários capítulos, vemos que são várias as situações e cenas que se repetem sem adicionarem algo de interesse ou importância à narrativa principal. A isto junta-se a duração dos planos, excessiva e mesmo absurda, com muitos a começarem antes das personagens surgirem e a prolongarem-se muito para lá destes terem desaparecido. Sim, há várias leituras que se podem fazer deste estilo, desde a simples referência ao neo-realismo italiano até ao revelar da indeferença da sociedade moderna para com os idosos, mas depois de várias horas sentado no cinema toda a boa vontade se dissipa para com elas. E depois há as excrescências inexplicáveis: os flashbacks que se iniciam mais de três horas depois do início do filme e o final completamente despropositado.

Este será, para alguns, um dos melhores filmes do festival e não há dúvida que há aqui muito para louvar, mas ao ter tomado uma decisão que ignora o estado mental e físico do espectador, Shumin Liu, o realizador, apenas debilita a empatia e boa vontade que procura nele ao mesmo tempo, para que o filme possa ter algum impacto emocional. Ao procurar uma dimensão humana na passagem do tempo, foi esquecida a de quem vê o filme.

O Melhor: A relação do casal central.
O Pior: A duração; os flashbacks; o final.


João Miranda



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos