Menu
RSS

 



«Desde Allá» (À Distância) por João Miranda

Armando é um técnico de próteses dentárias que percorre as ruas de Caracas à procura de jovens que se dispam para si, sem qualquer procura de proximidade, física ou emocional. Quando conhece Elder, um pequeno criminoso, tudo se parece transformar de forma violenta e inesperada. Apesar de este ser o primeiro filme do realizador Lorenzo Vigas, este filme já foi feito várias vezes, parecendo ser o subproduto de anos de ditaduras violentas na América do Sul, já que não se circunscreve à Venezuela: a diferença de classe como fonte de conflito, a masculinidade em crise, a violência que rebenta sem grande propósito ou motivo. Estes elementos não são, só por si, maus, mas a forma como Vigas os explora em Desde Allá é muito pouco original e não traz nada de novo ou interessante.

O uso constante de elipses, onde muitos dos momentos que faltam são essenciais e difíceis de aceitar sem qualquer explicação (acordar na cama de alguém se assaltou e não haver qualquer conflito ou resolução é só aceitável para quem fez o filme), associado ao silêncio quase constante e às conversas sem sentido (essencialmente por causa dessas mesmas elipses não resolvidas), tornam esta uma história muito difícil de engolir. A maior parte das cenas acontece apenas por vontade do realizador, que é também o argumentista. Sim, podemos desdobrar as várias referências e influências do filme e projetá-las para vários expoentes da história do cinema, mas isso não o vai trazer para o mesmo patamar destas e o filme acaba por sofrer com isso, já que nos lembra de outros muito melhores.

Igualmente sem originalidade ou interesse é a imagem e a câmara. Apagada, com um excesso constante de luz e uma profundidade de campo sempre reduzida, a imagem reproduz o horizonte emocional do filme: monotónico e aborrecido. Mesmo os momentos que deveriam ser mais intensos acabam por não resultar, apesar do esforço monumental do novato Luis Silva, no papel de Elder. A câmara coloca-se e desloca-se sem grande sentido, parecendo mais interessada em chamar atenção a si própria e à sua canhestrice do que em servir a história e as personagens.

Se não se pode dizer que Desde Allá é um filme mau, infelizmente também não se pode dizer que é bom. Limitado e carregado de clichés, não consegue nunca libertar-se das comparações com filmes melhores, nem encontrar algo novo para dizer. Tendo em conta os temas todos que aborda, uma oportunidade perdida.


João Miranda



Deixe um comentário

voltar ao topo

Contactos

Quem Somos

Segue-nos