Menu
RSS


«Nessuno Si Salva da Solo» por Hugo Gomes

Depois da triste experiência que fora Voltar a Nascer (Venuto al Mondo), o realizador Sergio Castellitto em conjugação com a sua habitual argumentista, Margaret Donnelly, regressam aos enredos emocionalmente ambiciosos com Nessuno Si Salva da Solo (Ninguém se Salva Sozinho). Mas ao contrário do referido "desastre", a dupla soube conter-se dos egocentrismos.

A reunião de um casal, separado há bem pouco tempo, a fim de discutir as férias de verão dos filhos, leva-nos ao encontro de uma reflexão quanto à manutenção e desenvolvimento das relações afetuosas, onde o amor e o ódio parecem deslocar-se lado-a-lado, cúmplices e manipuladores de vidas torturadas preenchidas por sonhos desfeitos. É o conto matrimonial, com todos aqueles toques novelescos equiparados a lugares-comuns nauseabundos do cinema, mas que Castellitto ousa inovar-se sob um certo ar de artimanha, escondendo o evitavelmente básico com a proclamação de filosofias "sinceras". São aquelas juras de amor bacocas que não merecem a nossa credibilidade, mas que optamos por acreditar, "i love the way you lie", quase soando como uma canção de "vira disco e toca o mesmo".

A verdade é que mesmo apostando numa narrativa curiosa, a exposição de uma trama tão vulgarizada que é desmontada e montada sobre um senso de falso flashback, Nessuno Si Salva da Solo perde pela quebradiça pretensão de assumir-se profundo (há aqui uma preocupação em seguir território de Garrel ou de Blue Valentine), alternando esses tão badalados elementos de quotidianos afetuosos por poemas declarados à validade da vida. O seu último ato evidencia tal vertente, uma "inesperada" preocupação com a "imortalidade", a busca pela "grande beleza" das relações amorosas.

Castellitto novamente colocou a "carroça à frente dos bois", induzindo-nos um filme sob verdadeiras crises identitárias, mais do que matrimoniais. Os atores parecem, inclusive, contagiados com tal depressão. Jasmine Trinca, por exemplo, está em modo terminal. Pois, como o título refere, o filme não se salva sozinho.

O melhor - a proposta
O pior - o resultado


Hugo Gomes



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos