Menu
RSS

 



«Loreak» por Paulo Portugal

Depois da sensação crítica em San Sebastian, mesmo tendo ficando arredado de qualquer prémio, Loreak (flor em basco) é um daqueles casos raros de beleza que muito bem se poderia comparar a um buquê de flores cinematográfico. Outra curiosidade é que foi a primeira vez que um filme em Euskera – a língua oficial basca – foi programado para a Seleção Oficial de San Sebastian, o maior festival de cinema espanhol que celebrou o ano passado a seu 62ª edição e que se realiza no final do Verão no país Basco.

Seja como for, depressa a estranheza é gradualmente substituída por uma irresistível atração à medida que penetramos neste emaranhado sentimentos que várias vezes nos confundem, para sempre nos deslumbrarem. A dupla Garaño e Goenaga – autora de En 80 Dias, de 2010, que inclusive passou pelo Cine Ceará – mostra-se hábil na forma como gere os tempos narrativos e, acima de tudo, os timings românticos. Isto porque neste caso o romance e a afetividade andam sempre desencontrados, superando mesmo a morte. Um complexo jogo de emoções que chega mesmo a colocar-nos diante do romance para além da vida vivido em Vertigo de Hitchcock.

E se um desconhecido alguém de oferecer flores?, tal como no conhecido spot publicitário. Tudo começa quando Ane (Nagore Aramburu) começa a receber semanalmente vistosos buquês de flores sem qualquer identificação do mandante. Algo que começa a perturbar o marido. Da mesma forma, Lourdes (Itziar Ituño, presente em Fortaleza) e Tere (Itzair Aizpuru) deparam-se com flores deixadas no local onde morrera o marido da primeira e filho da segunda. Naturalmente, pelo meio haverá Beñat (Josean Bengoetxea), colega de trabalho de Ane. O mais curioso é como as flores passam a ser a forma de comunicação para todos eles, num exercício narrativo muito bem urdido e desenhado com régua e esquadro numa meticulosa découpage. Dizer mais seria como o ato fatal de regar demasiado uma flor rara. Tal como no filme se explica que a flor durará mais se for podada a raiz de modo a manter a sua cicatriz aberta. Neste caso, a melhor tradução que esta dupla proporcionou à equipa reduzida de excelentes atores. E, claro, os sucessivos buquês que aqui dizem bem mais que muitos sentimentos amorosos.

O facto de Loreak ser realizado por uma dupla masculina diz mais ainda da extrema delicadeza dos sentimentos exibidos. Uma pequena pérola.


Paulo Portugal



Deixe um comentário

voltar ao topo

Contactos

Quem Somos

Segue-nos