Menu
RSS


«La Loi du Marché» (A Lei do Mercado) por Hugo Gomes

Se O Último dos Homens (1924), de F.W. Murnau, fosse dirigido nos tempos de hoje, difícilmente se conseguiria contornar a situação do trabalho precário e a natureza do mercado em que se vive. Em La Loi du Marché somos remetidos a essa "medida de homens", situações caricatas que despoletariam gargalhadas nos espectadores se não fosse o facto de tudo o que se encontra encenado no grande ecrã ser fiel à real natureza do mercado de trabalho.

Vincent Lindon cria essa figura submissa a uma sociedade extremamente avaliadora, competitiva e austera. Um homem com anos de trabalho que depois de confrontado com o despedimento inicia uma demanda a um novo emprego, ou um trabalho que simplesmente lhe permita o pagamento das contas. Uma tarefa que não será claramente fácil, mas desesperante e involuntariamente absurda dadas as situações.

O novo filme de Stéphane Brizé é uma prova de cinema verité na sua essência mais formal: um retrato que tão bem poderia ser desperdiçado não fosse o desempenho (e empenho) de Lindon em atribuir veracidade à sua personagem e a arrastar a sua situação para a credibilidade.

Contudo, ainda se sente um acentuar do dramatismo quando La Loi du Marché tenta esboçar um ambiente igualmente desesperado e sufocante da vida pessoal da personagem de Lindon, isto através de um filho deficiente. Esta inserção no enredo poderia resultar na produção de uma crítica social mais vincada, mas apenas acrescenta drama ao nivel telenovelesco, como se as situações que Lindon vive no quotidiano já não fossem dramáticas o suficiente.

No final, é ainda jogado o moralismo como a carta trunfo, onde Stéphane Brizé parece querer demonstrar os seus ares à la Laurent Cantet. Em suma: o ator brilha, o filme tem os seus momentos.

O melhor – Vincent Lindon
O pior – quando o realismo não é o suficiente


Hugo Gomes



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos