Menu
RSS


«Youth» (A Juventude) por Paulo Portugal

Depois do estado de graça alcançado com a A Grande Beleza, o italiano Paolo Sorrentino regressou a Cannes para se espalhar ao comprido com a tentativa gorada de procurar o sentido da vida e da velhice com uma tirada pretensiosa. No fundo, o recurso do desfile de personagens mais ou menos garridas, mais ou menos desgarradas, alinhavadas a uma narrativa frouxa que nunca chega a convencer, num confronto entre a veterania de corpos vencidos e uma juventude que celebra o erotismo. Como a 'miss universo' do poster do filme que, por certo, funcionará como catalisador para abrir o apetite.

Desta feita, o italiano instala-nos num spa de luxo suíço onde acompanhamos as ruminações de Fred (Michael Caine), um compositor reformado e Nick (Harvey Keitel), um realizador à procura de um final para o seu filme. Há até Jane Fonda numa cameo garrida e excessiva, como outras que tem feito, embora aqui sem o nível semelhante.

Em conversas de espreguiçadeira ou de banhos turcos encontramos ainda a filha do compositor (Rachel Weisz) e do jovem ator americano (Paul Dano), para além de um séquito de personagens aborrecidas, algumas delas insuportáveis, como o filho de Nick, que apenas aparece para apresentar a sua nova namorada, uma espécie de atriz porno de segunda. E quando é questionado pela escolha, a resposta deixa-nos perplexos. É porque é boa na cama.

O estilo é garrido, vincado, operático mesmo, onde não falta sequer uma referenciazinha a Cannes... No final, aplaudiram aqueles que responderam ao convite sugerido para o aplauso, num falso clímax apoteótico, e apuparam outros, onde nos incluímos, enfastiados com o vazio demasiado previsível da obra e uma ostentação contemplativa de um cinema repleto de clichés visuais.

Sim, Sorrentino sabe filmar, mas também já se percebeu que a narrativa nunca foi o seu forte, e a vontade feérica de mostrar não se contenta com pouco. Entre as muitas cenas disparatadas está, por exemplo, a tentativa do maestro orquestrar uma peça musical com o mugir das vacas e o badalo dos guizos, as variações da equipa de argumentistas a sugerir diferentes diálogos para finalizar o filme de Nick ou ainda a patética cena romântica de Rachel Weisz, pendurada em cima de um penhasco e atada a um alpinista romântico.

Se A Grande Beleza funcionava como uma parada de todos excessos romanos, esta Juventude serve-se de um sentido de humor que não convence neste exercício de estilo calculado. Valha-nos a muito bela sequência onírica do sonho de Fred com uma praça de São Marcos inundada.

Sorrentino é um bom artista, sempre o foi, mas fica aquém de ser um contador de histórias competente. Depois do desastre que foi Este é o Meu Lugar, também em inglês, com um Sean Penn inclassificável, regressa com o making off do que será a apoteótica e presunçosa encenação final da mais famosa composição de Fred, The Simple Songs. Contudo, é precisamente essa falta de simplicidade que mancha o pano desta Juventude em marcha.


O melhor: Michael Caine não sabe fazer feio
O pior: O espalhafato burlesco que se esconde por detrás de um filme que ganhava mais em ser sereno

 


Paulo Portugal
(Crítica originalmente escrita em maio de 2015)



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos