Menu
RSS


«Gett» (Gett: O Processo de Viviane Amsalem) por Hugo Gomes

Algo tão comum e fácil de ser obtido no Ocidente é quase uma tragédia de arrecadar em Israel. Pelo menos é isso que é demonstrado em Gett: O Processo de Viviane Amsalem, a luta de uma israelita em conseguir o divórcio do marido (divórcio = gett) com que convive há mais de 30 anos, pelo simples motivo de não sentir qualquer amor por este. É um facto que é incompreendido na comunidade religiosa judaica, assim como os conservadores juízes que não poupam nos julgamentos desiguais entre sexos.

Dirigido pela dupla Ronit e Schlomi Elkabetz, Gett fecha uma ousada trilogia de denuncia das "anormalidades" que tal sociedade parece engendrar. Neste caso, o tribunal das disputas matrimoniais é o alvo dessa analise, o limiar do burlesco e do surreal. No centro deste filme, filmado sob quatro paredes (todo o enredo decorre dentro do tribunal, mesmo na passagem dos meses / anos), encontramos a atriz e realizadora Ronit Elkabetz (que há uns anos vimos como protagonista na primeira incursão cinematográfica de Fanny Ardant, Cinzas e Sangue) e que conduz uma personagem singular, cujas primeiras emoções são expressadas através do seu visual.

Pois bem, por entre os episódios temporais deste demoroso julgamento, a Viviane do titulo é uma mulher à mercê da perspetiva masculina numa comunidade que sobrevaloriza o homem como o catalisador das decisões e na posse das suas esposas como propriedade. Silenciosamente indignada por esse sistema, é no seu vestuário e cabelo que reside a sua libertação corporal. Por exemplo, em 80% da fita, Viviane ostenta o preto como um luto interminável pela sua liberdade. Nos momentos mais acesos do processo, a vestimenta torna-se vermelha, fortalecendo um conflito que se converte de algo intimo em um verdadeiro palco de guerra.

Posteriormente, o branco marca a presença, manifestando uma emancipação emocional de que a protagonista torna-se alvo, numa das actuações mais fortes e explosivas da carreira de Elkabetz. O cabelo também tem o seu papel, neste caso num modo desafiador e guerrilheiro para com o tribunal. Esta linguagem corporal e visual assenta que "nem uma luva" na direção do par de realizadores, que por sua vez oferecem-nos um filme que desafia o próprio estilo académico (basta ver a quantidade de "saltos ao eixo" que a câmara executa durante os depoimentos).

Depois é o modo trocista que os cineastas indiciam em toda a narrativa. A caricatura encontra-se de certa forma presente na descrição do tribunal, nas testemunhas que entretanto surgem em "palco", aludindo a criticas sociais, e no próprio processo ritualizado da simples facultação do divórcio. Visto como um herdeiro de 12 Homens em Fúria, de Sidney Lumet, Gett ainda nos presenteia com um certo tom vintage. Este é um filme do qual será difícil nos divorciar.

O melhor - o desempenho de Ronit Elkabetz
O pior - uma ou outra personagem demasiado estereotipada


Hugo Gomes



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos