Menu
RSS


«Interstellar» por José Raposo

Ao olhar para o atual panorama das grandes produções vindas de Hollywood, é possível que se tenha alguma dificuldade em explicar como é que se chegou a Interstellar. A política da casa não tem sido exatamente recetiva a cineastas que olhem para o cinema espetáculo como uma posição legítima, enquanto ponto de partida para uma experiência cinematográfica que se dirija ao espectador (na sua condição Humana), para lá das especulações demográficas e das questões de mercado.

Em Interstellar, Christopher Nolan apresenta-se como uma das exceções à regra, sendo o único realizador contemporâneo a trabalhar neste regime de produção e a acumular a realização com a escrita de argumento e produção (contado ninguém acredita!), que se propõe a pensar o mundo a partir do cinema, assim exatamente nestes termos. Mas sejamos claros: o mérito de Nolan não se deve à natureza visionária dos seus filmes (que não o têm sido), nem tão pouco a uma execução técnica irrepreensível (as sequências de ação são frequentemente incoerentes; os momentos de exposição são demasiadamente pesados, e por aí adiante). O fascínio da obra de Nolan é antes resultado de uma invulgar capacidade em saber ler as expectativas de um público que tem sido massacrado com a banalização do sentido da experiência do cinema.
Interstellar é o filme mais interessante da sua carreira justamente por contrariar ligeiramente esta lógica: é um filme visualmente impressionante, com um poder de atração avassalador (particularmente na sua relação afetiva com o espectador: é um filme de uma emotividade que ainda não tínhamos visto em Nolan) e de fortíssimas ambições artísticas. Por outras palavras, Nolan não se dirige ao espectador exactamente nos mesmos termos com que o tem feito até agora, aparecendo aqui muito mais empenhado em fazer um filme a partir da história do cinema e não tanto com base em supostas expectativas da audiência.

Aquilo que torna Interstellar numa obra singular é a forma como Nolan introduz os truques que lhe são habituais - e que são a peça basilar dos seus filmes, não contando com a trilogia do Cavaleiro das Trevas - na própria textura do filme, dando assim origem a uma união consistente entre a estrutura da obra e o seu conteúdo.

O centro da narrativa (estejam descansados que o caminho está livre: não há spoilers) tem por base uma missão ao espaço com o objetivo de encontrar um planeta compatível com a vida humana. Num futuro próximo, a Terra está devastada e incapaz de suster vida por muito mais tempo, e é para evitar a desgraçada extinção da nossa espécie que um grupo de astronautas (papeis representados por Matthew McConaughey, Anne Hathaway, David Gyasi e Wes Bentley) parte rumo ao desconhecido.

A imensidão do Universo tem aqui uma das suas representações cinematográficas mais impressionantes e memoráveis; os momentos de exploração espacial, de um virtuosismo visual raramente visto (que assombrosas as vistas de Saturno!), são encenados para lá do mero funcionalismo narrativo, não se limitando apenas a fazer avançar a história. A intensidade dramática do filme é reforçada recorrendo aos habituais "estratagemas" de Nolan (em A Origem a graça da narrativa assentava na existência de diversas camadas de sonhos, às quais um grupo de espiões conseguia aceder para roubar segredos), e que no caso de Interstellar têm base científica e são consequência da teoria da relatividade. É o fator decisivo da obra porque permite pensar no filme como um todo coerente sem artifícios que se esgotam em si mesmos: o relacionamento entre personagens condiciona a estrutura do filme, a estrutura do filme ajuda a compreender o funcionamento das forças do Universo, que por seu turno têm ressonância conceptual com as preocupações temáticas da obra.

Passa por aí também a ligação de Interstellar 2001: Odisseia no Espaço, que é o momento precioso da história do cinema que Nolan se propôs a visitar, contando assim uma história com o vocabulário de Kubrick.

Não é só garganta, portanto, a apologia que Nolan tem vindo a fazer da película de 35mm. A textura táctil da película é aliás decisiva para a leitura de uma das sequências chave do filme, quando já perto do final Coop (McConaughey) é posto à prova pela materialidade da existência e da memória. Belíssima declaração de amor ao cinema, este Interstellar.

O melhor: A forma como Nolan olha para a história do cinema.
O pior: Ainda que a narrativa seja complexa e construída à volta de teorias científicas de alguma sofisticação, há margem para que a exposição seja mais equilibrada.


José Raposo



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos