Menu
RSS


«Annabelle» por Roni Nunes

De todas as diversas ramificações que o cinema de terror tomou a partir dos anos 60, nenhuma viria a ser tão prolífica em termos de grande público como aquela que acabou por ser consagrada em O Exorcista – até hoje o clássico absoluto do género.

O mais recente é este Annabelle, que vem reunir os mesmos elementos de Sinister – Entidade do Mal, The Possession – A Possuída, Insidious – Insidioso, Mamã e, mais diretamente, A Evocação, onde este foi buscar a sua personagem-título – só para citar os últimos sucessos. Isto quer dizer que por aqui andam forças sobrenaturais, satanismo, fantasmas, um totem amaldiçoado (aqui o próprio centro do filme), crianças ameaçadas e um padre...

A boa notícia é que, se o realizador John R. Leonetti, diretor fotografia dos dois Insidious e de A Evocação, não é nenhum James Wan, que sempre acrescenta um bocado de estilo aos seus projetos terroríficos, ele quase consegue a mesma façanha do realizador malaio – ou seja, contar com interesse e emoção histórias infinitamente vulgarizadas.

Para já o filme funciona bem ao situar o seu enredo num aspeto curioso dos anos 60 – a proliferação de seitas demoníacas do estilo Charles Manson. Mia (Annabelle Wallis, é a atriz, não a boneca...) é uma jovem casada com um recém-diplomado em Medicina que começa a enfrentar muitos problemas depois que lá na sua casa foi parar a boneca que aterrorizava a malta em A Evocação.

Como quase todos os filmes citados nos primeiros parágrafos, incluindo a obra-prima de William Friedkin, essa é uma história de mulheres e de maternidade – da força/luta delas para salvar a família. Os homens estão ausentes e, neste sentido, Annabelle funciona ao entrelaçar subtilmente a ardente necessidade de afirmação de uma frágil dona-de-casa sessentista (e que apresenta alguns traços da Mia Farrow de A Semente do Diabo, incluindo o nome) com os novos rumos que a condição da mulher iria tomar.

É certo que o filme abusa um bocado da paciência do espectador com algumas justificações absurdas (a forma como a boneca ficou amaldiçoada, por exemplo, é ridícula). Além disto, no último terço o que até então progredia de forma equilibrada dentro do quadro do cinema satânico/sobrenatural vai se tornando uma grande salganhada. O final, por sua vez, para além de pouco imaginativo, empurra a história dos personagens para um desfecho que não ficaria mal num martirológio cristão.

Mas, até lá, o drama funciona, há um bom uso de um dos truques mais eficazes do cinema recente, os vultos cadavéricos/fantasmagóricos popularizados por O Sexto Sentido e Ring – A Maldição (e a sua versão norte-americana) – para além de pelo menos um par de sequências arrepiantes – entre as quais uma bem longa numa cave onde a porta de um elevador que não anda abre sempre no mesmo lugar...

O melhor: a contextualização consistente da história nos anos 60 e algumas cenas arrepiantes
O pior: o terço final atabalhoado e algumas justificações absurdas


Roni Nunes 

 

 



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos