Menu
RSS


«Phoenix» por Paulo Portugal

E eis que ao cruzarmos a metade do festival recebemos finalmente um filme que assombra. E que é assombrado. Um prodígio de cinema desde logo o mais forte candidato à Concha de Ouro. Sem, qualquer desprimor para o excelente festival de San Sebastián, mal se percebe como o novo Petzold não passou pela competição de Veneza e seguiu logo para Toronto.

O alemão Petzold já nos habituara a um cinema rigoroso, denso e intrigante – recorde-se que foi premiado há dois anos atrás com o Urso de Prata em Berlim para Barbara, numa narrativa ambientada na Alemanha Democrática. Embrenha-nos agora num drama profundo que acorda os fantasmas do pós-guerra germânico inflamado por uma história de um romantismo tão velado quanto perturbador, recriado pela valiosa colaboração com o talentoso Harun Farocki, recentemente desaparecido. Apesar das suas várias dimensões não será alheia a sombra de Hitckcock que assombrou James Stewart e Kim Novak em Vertigo – A Mulher Que Viveu Duas Vezes. Só que aqui no inverso. Mas já lá vamos.

Uma vez mais a trabalhar dentro do seu grupo de Berlim, Petzold chamou Nina Hoss, a sua atriz fetiche, para encarnar o papel de Nelly, a única membro viva de uma abastada família judaica que viveu o horror de Auschwitz. Sobrevive o final da guerra e tem as condições suficientes para recuperar a sua fisionomia com uma operação de reconstituição do rosto desfigurado por uma bala.

Desumanizada, e com uma cara que não é a sua, pois os médicos não tiveram referência para a reconstituição eficaz, tentará, ainda assim, encontrar a sua cara metade, o marido pianista Johnny (Ronald Zehrfeld, que contracenara com Nina em Barbara) com quem tocava habitualmente na noite de Berlim.

Aconselhada a não se revelar por forma a verificar que só marido lhe fora fiel, Nelly aceita assumir, mesmo diante dele próprio, que desejava tentar recuperar a fortuna dela, uma outra identidade – afinal de contas, a sua. E é nessa composição gradual do seu próprio papel que se vive um turbilhão de emoções a coroar um climax final. Poderá ela encarar a realidade após esta experiência? Poderá ele recuperar aquilo que dera por perdido?

Mais do que colocar a tónica do mito da fénix em Nelly, Petzold confessou-nos numa saborosa e esclarecedora entrevista que "Nelly não é a fénix; ela não se reinventa; Fénix será mais a nação alemã que procura reerguer-se das cinzas".

Seja como for, percebe-se que esta é a melhor interpretação de sempre de Nina Hoss – prémio de interpretação à vista? - num filme depurado, profundamente enraizado numa estética que procura evocar a fotografia e a luz do cinema negro e dos mestres alemaes forçados a abandonar o país com o nacional socialismo.

O melhor: O fulgor desta história de fantasmas devidamente ancorado pela prestação de Nina Hoss.
O pior: nada de relevante a assinalar.


Paulo Portugal
(Crítica originalmente escrita em setembro de 2014)



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos