Menu
RSS


«The Lunchbox» (A Lancheira) por Nuno Miguel Pereira

Em Mumbai existe um eficiente sistema de entrega de lancheiras que envolve a confeção das refeições, trabalho dado à mulher, e a distribuição das mesmas nas moradas exatas. Este sistema é considerado quase infalível. Certo é que, caso fosse mesmo infalível, não teríamos filme. Aqui, um engano incomum leva a uma troca de moradas, o que faz com que a lancheira de Ila (Nimrat Kaur) vá parar a Sanjaan Fernandes (Irrfan Khan) e tudo parte daqui...

Em primeiro lugar, Ritesh Batra – um realizador que deambula entre a realidade e o documentário – consegue captar na perfeição todos os pormenores no ambiente físico (a cidade, os comboios e autocarros lotados, a pobreza que se confunde com a paisagem) e o contexto ideológico da India, como o sexismo vigente que confina a mulher a um papel de dona de casa.

Por outro lado, consegue captar algo impensável na sociedade mais ocidental: A existência de felicidade no meio de tanta pobreza; fazendo um paralelismo, consegue-se aproximar do ambiente de Quem Quer ser Bilionário (de Danny Boyle), mas um pouco mais realista.

Depois, e saindo do campo documental, funciona como um retrato paradoxal sobre a solidão humana. Este paradoxo tem que ver com a ironia de numa sociedade com 1,237 mil milhões de habitantes haver espaço para tanta solidão. Neste caso, este sentimento é bipartido por dois personagens, unidos pelos bilhetes que vão trocando dentro da lancheira: Ila; que representa quase uma classe, de uma mulher que, apesar de um marido e uma filha, se sente profundamente só, encontrando o único conforto nos bilhetes que troca com Sanjaan que, após perder a mulher, parou no tempo, perdendo um pouco o sentido da sua existência.

A este duo existe ainda espaço para Shaikh (Nawazuddin Siddiqui), alguém que dá algum sentido, em conjunto com Ila (numa dimensão mais platónica), à vida de Sanjaan.

Entramos então na fase do sonho e da ilusão, numa sociedade que nunca os permitiu sonhar. Se é bem verdade que esta parte é, por vezes, excessivamente romanceada, com a existência de um amor platónico algo denunciado, também é certo que o filme tem preocupações bem maiores que isso, tornando-se uma espécie de documentário representativo de uma sociedade.

Para esse efeito, Nimrat Kaur e todas as atrizes presentes na obra servem para desmistificar a ideia de que é proibido ser sensual fora da gama americo-europeia. A verdade é que apesar de contida, Nimrat expressa toda a sua sensualidade na forma como representa a sua personagem. De uma maneira completamente diferente, mas igualmente competente, destaca-se o experiente ator Irrfan Khan, criando uma personagem profundamente amargurada e mergulhada numa solidão da qual grita por sair.

De forma geral, A Lancheira é bem mais que um filme, é um ensaio cultural sobre a India, com espaço para uma história verdadeira de amizade, numa sociedade que apesar de sobrelotada é profundamente solitária.

O Melhor: Mimrat Kaur e a dicotomia documentário/ficção
O Pior: O excessivo romanceamento da díade Sanjaan Ila, ainda que por breves instantes.


Nuno Miguel Pereira 



Deixe um comentário

voltar ao topo

Atenção! Este website usa Cookies.

Ao navegar no website estará a consentir a sua utilização. Saber mais

Entendi

Os Cookies

Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais quando visitam o nosso website. Os cookies são pequenos ficheiros de texto que um site, quando visitado, coloca no computador do utilizador ou no seu dispositivo móvel, através do navegador de internet (browser). 

Você tem o poder de desligar os seus cookies, nas configurações do seu browser, ou efetuando alterações nas ferramentas de programas AntiVirus. No entanto, isso poderá alterar a forma como interage com o nosso website, ou outros websites.

 Tipo de cookies que poderás encontrar no c7nema?

Cookies estritamente necessários : Permitem que navegue no website e utilize as suas aplicações, bem como aceder a eventuais áreas seguras do website. Sem estes cookies, alguns serviços que pretende podem não ser prestados.

Cookies analíticos (exemplo: contagem de visitantes e que páginas preferem): São utilizados anonimamente para efeitos de criação e análise de estatísticas, no sentido de melhorar o funcionamento do website.

Cookies funcionais

Guardam as preferências do utilizador relativamente à utilização do site, de forma que não seja necessário voltar a configurar o website cada vez que o visita.

Cookies de terceiros

Medem o sucesso de aplicações e a eficácia da publicidade de terceiros. Podem também ser utilizados no sentido de personalizar widgets com dados do utilizador.

Cookies de publicidade

Direcionam a publicidade em função dos interesses de cada utilizador. Limitam a quantidade de vezes que vê o anúncio, ajudando a medir a eficácia da publicidade e o sucesso da organização do website.

Para mais detalhes visite http://www.allaboutcookies.org/

Secções

Quem Somos

Segue-nos

Contactos