Menu
RSS

 



«Katalin Varga» por Jorge Pereira

Banida da aldeia em que vive pelo marido, Katalin Varga é uma mulher que inicia o calvário de vingar o acto horrível que sofreu há muitos anos atrás e sobre o qual ainda paga dividendos. É que Katalin, quando pedia boleia há uns anos atrás, acabou num bosque na Hungria profunda por ser violada por dois homens, tendo dessa violação nascido o seu único filho, Órban.

Escondendo do filho o real objectivo da viagem, Katalin atravessa os Cárpatos em busca dos homens envolvidos na violação, vingando-se de cada um, numa terra que há onze anos tinha prometido não voltar.

Realizado pelo cineasta em estreia Peter Strickland, “Katalin Varga” é um intenso drama e filme de vingança servido numa bandeja morna, onde acompanhamos uma personagem muito sofrida com um filho que não entende muito bem o que se está a passar. Com muito poucos diálogos e uma acção muito contida, este “road movie” por caminhos de cabras vive dos parcos elementos que tem, sugando até ao infinito as capacidades da fotografia, da banda sonora e da interpretação dos actores, para criar um dos melhor filmes a estrear em Portugal em 2010. E aqui temos de focar o brilhante trabalho de Hilda Péter, que entre calma, desespero e muito calculismo, cria uma personagem misteriosamente sofrida, mas intensamente forte, capaz de arrastar montanhas com a sua força e amor ao filho e actual marido.

O mérito, para além das capacidades interpretativas da actriz em questão, está na realização, profundamente minimalista em todos os campos, até pelas limitações orçamentais, menos na densidade dramática de cada uma das cenas, pessoas e locais que apresenta.

Imperdível

O Melhor: A força da personagem martirizada de Hilda Pétar
O Pior: Vai estrear apenas numa sala em todo o país. Uma pena

A Base: Este “road movie” por caminhos de cabras vive dos parcos elementos que tem, sugando até ao infinito as capacidades da fotografia, da banda sonora e da interpretação dos actores, para criar um dos melhor filmes a estrear em Portugal em 2010…


Jorge Pereira 


Deixe um comentário

voltar ao topo

Contactos

Quem Somos

Segue-nos